Bisfenol S afeta desenvolvimento embrionário cerebral

Estudo publicado nos “Proceedings of the National Academy of Sciences”

15 janeiro 2015
  |  Partilhar:

Em resposta aos problemas de saúde associados ao bisfenol A (BPA) muitos fabricantes começaram a utilizar uma outra substância química, o bisfenol S (BPS), na produção de alguns produtos, como os plásticos. Apesar de esta substância ser considerada segura, um estudo publicado nos “Proceedings of the National Academy of Sciences” revelou que tal como o BPA, o BPS pode causar alterações no desenvolvimento cerebral e conduzir à hiperatividade num modelo animal.
 

Para o estudo, os investigadores da Universidade de Calgary, no Canadá, utilizaram embriões de peixe-zebra, um modelo bioquímico habitualmente utilizado na compreensão do desenvolvimento embrionário do cérebro, uma vez que é similar ao dos humanos. Após terem exposto os embriões a níveis baixos de BPA e BPS, os investigadores verificaram que ocorreram alterações no momento da formação dos neurónios.
 

No segundo trimestre, as células cerebrais diferenciam-se em neurónios especializados que compõem o cérebro. “O que demonstrámos foi que os peixes-zebra expostos a BPA e BPS adquiriam o dobro dos neurónios demasiado cedo e metade demasiado tarde, o que conduzirá a problemas na forma como os neurónios se ligam e formam circuitos”, revelou, em comunicado de imprensa, uma das autoras do estudo, Deborah Kurrasch.
 

O estudo apurou que o número de neurónios gerados no cérebro dos peixes-zebra em desenvolvimento aumentou 180%, comparativamente com os peixes que não tinham sido expostos às substâncias químicas. Verificou-se também que o BPS aumentou, em experiências similares, o número de neurónios em 240%. Como resultado, o comportamento dos animais ficou alterado, tendo os mesmos demonstrado uma hiperatividade aumentada.
 

Os investigadores verificaram, com alguma surpresa, que os recetores alvo do BPA e BPS que mediavam o desenvolvimento precoce dos neurónios eram recetores de androgénio.
 

Apesar de serem necessários mais estudos para explorar o efeito desta substância nos cérebros humanos em desenvolvimento, de acordo com os investigadores estes resultados apoiam outros estudos que sugerem que as mulheres grávidas deveriam tentar limitar a exposição a produtos que contêm bisfenóis. ALERT Life Sciences Computing, S.A.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.