Beijo não transmite bactéria da úlcera

Disseminação de Helicobacter pylori é pouco provável através da saliva

17 junho 2002
  |  Partilhar:

As pessoas com úlceras gástricas podem beijar os companheiros sem medo. Segundo um novo estudo, é improvável que a bactéria causadora de úlcera, «Helicobacter pylori», seja transmitida pelo beijo.
 

 

A bactéria é geralmente encontrada no corpo humano e, na maioria das vezes, é inofensiva. Mas, muitos especialistas acreditam que esta bactéria contribui para uma grande parte das úlceras gástricas, embora não se conheçam as razões pela qual isso acontece só com algumas pessoas.
 

 

Também não se sabe ao certo como a H. pylori se dissemina entre as pessoas. Uma das possibilidades é que seja passada pela água ou alimentos contaminados com matéria fecal.
 

Outra é que a H. pylori se dissemina pelo contacto boca-a-boca, como o beijo.
 

 

Por exemplo, o microorganismo foi encontrado na saliva de algumas pessoas infectadas. E há evidências de que os companheiros de pacientes com úlcera têm uma prevalência maior do que a média de infecção por H. pylori, de acordo com os autores do estudo.
 

 

Apesar disso, ao analisar um grupo de 183 pacientes com úlceras suspeitas, os investigadores não encontraram nenhuma prova de que os portadores de H. Pylori tivessem passado a bactéria aos seus companheiros.
 

 

As descobertas da equipa liderada por W. Luman, do Hospital Geral de Singapura, foram publicadas recentemente na edição do European Journal of Gastroenterology and Hepatology.
 

 

Os participantes do estudo, todos eles apresentando desconforto gástrico, foram submetidos a uma endoscopia e um teste de H. pylori. Oitenta e nove por cento tinham a bactéria. Trinta e um dos companheiros também foram submetidos a testes para verificar a presença da bactéria.
 

 

Cerca de metade dos companheiros acusou positivo no teste de H. pylori, mas nenhum dos casais tinha a mesma cepa da bactéria, segundo os cientistas.
 

 

Com base nesses resultados, os cientistas concluíram que a transmissão «boca-a-boca», através do beijo, é um meio pouco provável de contaminação da doença.
 

 

Paula Pedro Martins
 

MNI-Médicos Na Internet
 

Artigo feito com base em informações da agência Reuters
 

 

Partilhar:
Classificações: 2Média: 3
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.