Bebés prematuros: leite materno é o melhor para desenvolver o cérebro

Estudo publicado na “NeuroImage “

26 setembro 2018
  |  Partilhar:
Os bebés prematuros que tenham sido amamentados com leite materno nas primeiras semanas de vida demonstram um melhor desenvolvimento cerebral, apurou um estudo recente. 
 
Os nascimentos prematuros estão associados a um risco mais elevado de problemas com as competências de raciocínio e de aprendizagem numa fase posterior da vida, problemas estes que se pensa serem devidos a alterações no desenvolvimento do cérebro.
 
Ao que parece, o nacimento prematuro está ligado a alterações na massa branca, que é a parte da estrutura cerebral que ajuda as células do cérebro a comunicarem entre si.
 
O estudo que foi efetuado por uma equipa de investigadores da Universidade de Edimburgo, Reino Unido, contou com as imagens de ressonâncias magnéticas de 47 bebés que pertenciam a um grupo de estudo conhecido como Theirworld Edinburgh Birth Cohort. 
 
Os bebés tinham nascido antes das 33 semanas de gestação e sido submetidos às ressonâncias magnéticas, em média, 40 semanas após a conceção, ou seja, quando era suposto terem atingido o termo. Foram ainda recolhidos dados sobre a alimentação dos bebés (se leite de forma ou materno, quer da mãe ou dadora) enquanto tinham permanecido nos cuidados intensivos.
 
Foi apurado que os bebés que tinham sido amamentados com leite humano exclusivamente ou pelo menos durante 75% dos dias hospitalizados demonstravam uma melhor conetividade cerebral do que os outros bebés. Os efeitos foram mais pronunciados nos bebés amamentados com leite humano durante uma maior proporção do internamento nos cuidados intensivos.
 
“As mães de bebés prematuros deveriam receber apoio para proporcionarem leite materno enquanto o seu bebé se encontra nos cuidados intensivos – se tiverem capacidade para isso ou se o bebé estiver suficientemente bem para receber leite – pois isto poderá oferecer aos seus filhos a melhor oportunidade de um desenvolvimento do cérebro saudável”, concluiu James Boardman, investigador neste estudo. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar