Baixo peso à nascença aumenta risco de autismo

Estudo publicado no “Psychological Medicine”

26 janeiro 2012
  |  Partilhar:

Um baixo peso à nascença está associado com um maior risco de desenvolvimento de distúrbios do espetro do autismo, dá conta um estudo publicado no “Psychological Medicine”.

 

Apesar de estar perfeitamente estabelecido que os fatores genéticos influenciam o desenvolvimento do autismo, estudo recentes têm indicado que os fatores ambientais podem também ter alguma influência no desenvolvimento deste distúrbio grave que afeta quase uma em cada 100 crianças.

 

Estudos realizados em gémeos têm demonstrado que, quando um gêmeo idêntico tem autismo, é provável que o outro também desenvolva este distúrbio. ”Contudo, isto não acontece em 100% dos casos. O que sugere que os fatores ambientais podem desempenhar um papel importante no desenvolvimento do autismo, de uma forma independente ou interagindo com os genes que elevam o risco do distúrbio. Como esta doença tem impacto no desenvolvimento do cérebro, os fatores ambientais pré-natais e perinatais poderão ter alguma importância”, revelou, em comunicado de imprensa, a líder do estudo, Molly Losh.

 

Para este estudo os investigadores da Northwestern University, nos EUA, contaram com a participação de 3.725 pares de gémeos, do mesmo sexo, em que só um deles sofria de distúrbios do espetro do autismo. A diferença de peso à nascença era de 400 gramas, ou então um dos irmãos era pelo menos 15% mais pesado do que o outro.

 

O estudo revelou que o baixo peso à nascença triplicou o risco de desenvolvimento de distúrbios do espetro do autismo em gémeos idênticos, em que só um sofria deste distúrbio. Adicionalmente foi verificado que o risco aumentava 13% por cada 100 gramas de peso a menos, à nascença.

 

Este estudo fornece assim mais informações sobre as complexas causas do autismo e sugere que o peso à nascença pode ser um dos fatores ambientais que interage com a predisposição genética associada ao autismo.

 

Molly Losh chama a atenção para o fato de este ser um estudo realizado em gémeos não se aplicando assim a uma gestação única, pois as condições pré-natais e perinatais são diferentes.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
 

Partilhar:
Classificações: 1 Média: 3
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.