Bactérias resistentes a antibióticos na bacia do Vouga

Estudo da Universidade de Aveiro

18 outubro 2012
  |  Partilhar:

Investigadores da Universidade de Aveiro detetaram bactérias resistentes a antibióticos na bacia hidrográfica do Vouga.
 

A descoberta de estirpes bacterianas com resistência às cefalosporinas de terceira geração, um dos tipos de antibiótico mais utilizado em meios hospitalares portugueses, foi realizada após a análise de água de 11 locais por uma equipa de investigadores do Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro (UA).

 

De acordo com a investigadora do Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro, Isabel Henriques, não está ainda apurado se as estirpes detetadas provocam infeções nos seres humanos, mas está provado que conseguem transferir para bactérias patogénicas a característica que as torna imunes aos antibióticos.
 

Este facto pode constituir "um problema gravíssimo na [ação] clínica, pois limitam a eficácia dos antibióticos mais usados em caso de infeção".
 

A notícia avançada pela agência Lusa refere que os investigadores isolaram as estirpes de Escherichia coli, Aeromonas hydrophila, Pseudomonas sp. e Enterobacter, após análises às amostras, em águas poluídas, provenientes dos rios Antuã, Cértima e Ul, usadas para a rega e onde é praticada pesca.
 

A investigadora adianta que "noutros sítios da bacia hidrográfica do Vouga com as mesmas características de água, ainda que não tenham sido analisados, haja uma elevada probabilidade de existirem mais comunidades de bactérias com este tipo de resistência a antibióticos".
 

O estudo da UA revelou ainda que "os genes que conferem a resistência às cefalosporinas de terceira geração estão associados a elementos genéticos móveis", pelo que essa resistência pode ser facilmente transmitida de bactéria para bactéria.
 

Isabel Henriques explica que "as próprias bactérias podem passar a característica da resistência a antibióticos a outras que não a tenham e que, apesar de serem patogénicas, podiam ser combatidas com antibióticos", o que deixa de acontecer porque, "uma vez transferido o gene da resistência às cefalosporinas, essa arma médica deixa de ser eficaz".
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.