Azia... «é fogo que arde sem se ver»

Sociedade Portuguesa de Endoscopia Digestiva lança campanha de sensibilização sobre a Azia

21 novembro 2001
  |  Partilhar:

É hoje indiscutível uma associação muito significativa entre azia e probabilidade de desenvolvimento de cancro do esófago; esta possibilidade, ou risco de desenvolvimento de cancro do esófago, é tanto maior quanto mais intensos e frequentes são os episódios de azia e, sobretudo, se eles existem de uma forma frequente durante o período nocturno, quando estamos deitados, muitas vezes já a dormir.
 

 

Este facto foi determinante para a S.P.E.D. – Sociedade Portuguesa de Endoscopia Digestiva, em acordo com a E.S.G.E. – Sociedade Europeia de Endoscopia Digestiva, iniciar uma campanha de sensibilização e informação pública, sobre as condições de saúde associadas à existência de azia.
 

 

Para facilitar a compreensão vamos considerar azia, como uma sensação de ardor/dor no “estômago”, que pode irradiar ao longo da face anterior do peito.
 

Definida desta forma, sabemos que uma percentagem muito elevada da população portuguesa, sofre ocasional ou continuamente de azia e, com frequência tem azia durante a noite.
 

 

A azia nocturna é um elemento perturbador do sono, causa uma incomodidade significativa e com frequência afecta a capacidade para o exercício da profissão no dia seguinte. Mas, não é apenas a incomodidade ou a repercussão negativa no desempenho laboral que tornam a azia nocturna preocupante.
 

 

Na realidade, uma maior intensidade e frequência das queixas de azia e o seu aparecimento durante o sono, determina muitas vezes inflamação do revestimento interior do esófago, denominada esofagite de refluxo, úlceras esofágicas e, à medida que os anos decorrem e as queixas persistem, é maior a probabilidade de ocorrência de cancro do esófago.
 

 

Que podemos fazer?
 

 

Durante a noite, quando deitados, será mais fácil em certas condições, que o conteúdo do estômago possa refluir para o esófago e aí permanecer por longos períodos. Esta é a razão do aparecimento de azia nocturna, que nos acorda, que pode ocasionar acessos de tosse durante o período de sono e ainda determinar uma sensação de engasgamento.
 

Podemos talvez reduzir as crises de azia nocturna, se não comermos nada nas 3 ou 4 horas antes de deitar e se elevarmos ligeiramente a cabeceira da cama durante a noite. Também pode contribuir para minorar a frequência e intensidade da azia, uma redução de peso, do consumo de tabaco, álcool e café. O recurso a refeições menos volumosas, com pouca gordura e poucas bebidas gasosas, pode também diminuir a frequência ou intensidade das queixas de azia.
 

 

Azia – devemos procurar o seu tratamento
 

 

A Sociedade Portuguesa de Endoscopia Digestiva aconselha o tratamento adequado destes sintomas, o que é hoje fácil uma vez que dispomos de medicamentos muito eficazes para aquele objectivo. Todas as pessoas com queixas frequentes de azia devem consultar o seu médico assistente, ou gastrenterologista, no sentido de obterem os melhores conselhos para a sua saúde.
 

 

MNI - Médicos Na Internet

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.