As mulheres são naturalmente mais susceptíveis ao stress

Estudo publicado no “Molecular Psychiatry”

20 junho 2010
  |  Partilhar:

Pode haver uma razão biológica para o facto de as mulheres terem uma probabilidade duas vezes maior do que os homens de desenvolverem depressão e outros distúrbios psiquiátricos relacionados com o stress, revela um estudo publicado no “Molecular Psychiatry”.

 

Neste novo estudo, os investigadores do The Children's Hospital of Philadelphia, nos EUA, ao estudarem a via de sinalização do stress no cérebro de animais constataram que as fêmeas são mais sensíveis do que os machos a níveis mais baixos de uma hormona envolvida no stress e têm uma menor capacidade do que os machos de se adaptarem a níveis mais elevados dessa hormona.

 

Já há muito que se sabia que as mulheres têm uma maior incidência de depressão, distúrbio de stress pós-traumático e outros distúrbios de ansiedade. No entanto, até agora ainda não se tinha descoberto o mecanismo biológico responsável por esta diferença.

 

Os investigadores, ao analisarem a forma como o cérebro dos ratinhos respondia a um teste de stress, verificaram que, quando comparados com ratinhos machos, os neurónios das fêmeas tinham receptores para uma hormona que está envolvida na resposta ao stress, a hormona libertadora da corticotropina (CRH), que se ligavam mais avidamente às proteínas de sinalização celular, sendo, portanto, mais sensíveis à CRH. Adicionalmente, após exposição ao stress, os machos apresentavam uma resposta adaptativa, denominada de “internalização”, nas células cerebrais, as quais reduziam os receptores do CRH, ficando menos susceptíveis à hormona. Nas fêmeas, esta resposta adaptativa não ocorre porque uma das proteínas envolvidas no processo de internalização não se liga ao receptor da CRH.

 

Apesar de este estudo ter sido realizado em animais, os investigadores sugerem que, se esta psicopatologia se reflectir nos seres humanos, o desenvolvimento de antagonistas para a CRH, como uma forma de tratamento da depressão, deverá ter em conta as diferenças encontradas a nível molecular entre os dois sexos.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A
 

 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.