Artrite reumatoide: compostos mostram-se promissores

Estudo publicado no “Proceedings of the National Academy of Sciences”

20 abril 2016
  |  Partilhar:

Investigadores do Reino Unido descobriram como compostos produzidos pelo sistema imunitário podem ajudar a abrandar a inflamação e impedir danos dos tecidos saudáveis. O estudo no “Proceedings of the National Academy of Sciences” sugere que as terapias baseadas nestes compostos podem ajudar a tratar a artrite reumatoide.
 

Na opinião dos investigadores da Universidade de Edimburgo, no Reino Unido, estes achados poderão também conduzir a novos tratamentos para a sépsis, uma condição em que ocorre uma ampla resposta imunitária que pode danificar os tecidos e colocar a vida em risco.
 

Os compostos, denominados alfadefensinas, fazem parte da primeira linha de defesa contra a infeção. Estes ajudam a impedir que as bactérias e outros agentes infeciosos se reproduzam. Alguns estudos têm sugerido que os compostos podem também atuar nas células do sistema imunitário para impedir a inflamação excessiva, mas até à data ainda não estava claro como este processo funcionava.
 

Neste estudo, que envolveu células humanas, os investigadores demonstraram que as alfadefensinas são libertadas por um tipo de células imunitárias, os neutrófilos, quando morrem. As alfadefensinas são ingeridas por outro tipo de células imunitárias, os macrófagos. Verificou-se que estes compostos impediam os macrófagos de produzirem moléculas mensageiras, denominadas citoquinas, envolvidas na inflamação.
 

No geral, os compostos limitam a inflamação excessiva, restringindo o danos nos tecidos saudáveis, sem comprometer a capacidade de o organismo eliminar a infeção.
 

De acordo com os investigadores, estes achados podem conduzir ao desenvolvimento de novas terapias contra doenças inflamatórias crónicas, como a artrite reumatoide, uma condição que ocorre quando o sistema imunitário ataca as articulações, causando dor e inchaço. Estas terapias podem também impedir o aparecimento da condição.
 

"Há mais de 400 mil indivíduos que sofrem de artrite reumatoide no Reino Unido, uma condição inflamatória dolorosa e debilitante que pode ter um impacto profundo no modo como as pessoas vivem as suas vidas, uma vez que afeta a capacidade de andar, sentar ou movimentar-se”, revelou, em comunicado de imprensa, o diretor de investigação e programas da Arthritis Research UK, Stephen Simpson.
 

Na opinião do investigador, o estudo dá conta de uma outra camada do complexo controlo do sistema imunitário. “Entender como o sistema imunológico funciona tanto na saúde como na doença é crucial se quisermos desenvolver novos e melhores tratamentos para doenças inflamatórias, como a artrite reumatoide”, concluiu.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.