Apneia do sono e depressão

25% da população mundial sofre desta doença

04 março 2002
  |  Partilhar:

As pessoas que sofrem de interrupção da respiração durante o sono, fenómeno conhecido como apneia do sono, podem ter a sua saúde mental seriamente afectada, revela um estudo canadiano publicado na semana passada.
 

 

As vítimas deste distúrbio podem ter problemas no trabalho, vida social e relacionamentos, o que, tudo junto, pode levar à depressão, apontam os investigadores.
 

 

Estima-se que 25 por cento da população mundial sofra de apneia do sono. O problema pode levar a pessoa a deixar de respirar, pelo menos, cinco minutos em cada hora. Quando as interrupções passam de dez por hora, o distúrbio passa a ser classificado como apneia do sono obstrutiva, que afecta 4 por cento das pessoas.
 

 

Os danos físicos causados pela doença, como o aumento do risco de enfarte ou AVC- acidente vascular cerebral, já são bastante conhecidos. Mas os investigadores do Centro de Pneumologia da Universidade Laval, Quebec, Canadá, foram os primeiros a estudar os efeitos psicológicos do distúrbio.
 

 

Os cientistas canadianos passaram dois anos a observar como os pacientes eram afectados pela apneia. Para tal, utilizaram um novo padrão de medidas, baseado naquele que é normalmente usado para dimensionar a qualidade de vida dos pacientes com asma e bronquite crónica. Foram analisadas 83 pessoas com apneia obstrutiva e idade média de 51 anos.
 

 

Quase 80 por cento dos pacientes observados mostraram fadiga em excesso durante o dia, o que disseram afectar seu bem-estar emocional. Mais de 60 por cento relataram que estavam mais impacientes, 59 por cento disseram-se ansiosos e 53 por cento admitiram que se sentiam deprimidos.
 

 

Yves Lacasse, chefe da equipa que conduziu o estudo, disse à BBConline ter ficado surpreendido ao descobrir uma incidência tão alta de depressão no grupo. "Não se pode dizer, baseado no nosso estudo, que a apneia do sono causa depressão. Mas é provavelmente um factor de risco", afirmou.
 

 

"O que pudemos observar é que os pacientes estão sempre cansados, têm problemas no trabalho, desentendimentos com os seus companheiros. Porque não querem sair de casa com receio de cair de sono e são relutantes até em combinar encontros com os amigos", concluiu.
 

 

Paula Pedro Martins
 

MNI-Médicos Na Internet
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.