Apendicite: antibióticos são uma alternativa?

Estudo publicado no “Journal of the American Medical Association”

19 junho 2015
  |  Partilhar:

Um estudo publicado no “Journal of the American Medical Association” questiona o facto de a apendicite ser sempre tratada com recurso a uma cirurgia de remoção tendo constatado que a toma de antibióticos poderá, em certos casos, ser uma alternativa.
 

O estudo apurou que dos 286 pacientes tratados com antibióticos ao longo de 10 dias, 186 não necessitou de apendicectomia. No entanto, comparativamente com o tratamento cirúrgico, a toma de antibióticos não atingiu o limite de eficácia estabelecido durante a conceção do estudo.
 

Mais de um quarto (70) dos pacientes aos quais foi administrado um antibiótico teve necessidade de uma intervenção cirúrgica um ano após os sintomas iniciais de apendicite.
 

Os investigadores colocaram a hipótese de o tratamento com antibióticos não ser pior do que a apendicectomia. O limite inicialmente definido para que se justificasse evitar a cirurgia foi uma taxa de insucesso de até 24% no grupo com antibiótico. No entanto, a taxa de insucesso foi de 27,3%.
 

A segurança de atrasar a apendicectomia de forma a tentar em primeiro lugar os antibióticos foi, no entanto, demonstrada pela ausência de abscessos intra-abdominais ou outras complicações principais.
 

O vice editor da revista onde o artigo foi publicado, Edward Livingston, e Corrine Vons do Hospital Jean Verdier, em França, explicam que desde o século XIX que a cirurgia tem sido encarada como o tratamento inquestionável da apendicite.
 

Contudo, estão a ocorrer alterações no modo como esta condição é controlada. Atualmente a apendicite pode ser diagnosticada, com uma eficácia quase perfeita, através de tomografia computorizada e a utilização de antibióticos no período perioperatório está a alterar a história natural da doença.
 

De acordo com os especialistas, talvez esteja na altura de abandonar a apendicectomia de rotina para pacientes que não têm uma apendicite complicada.
 

“Com o desenvolvimento de métodos de diagnóstico mais precisos, como a tomografia computorizada e antibióticos de amplo espectro eficazes, a apendicectomia pode ser desnecessária no caso de uma simples apendicite, que é o que acontece na maioria dos casos de apendicite aguda", referem os investigadores.
 

“Estes resultados sugerem que os pacientes com apendicite aguda simples, comprovada por tomografia computorizada, devem ser capazes de tomar uma decisão informada e poder optar pelo tratamento com antibiótico ou apendicectomia”, concluem.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.