Antipsicóticos podem conduzir à diabetes e à obesidade

Estudo publicado no “Molecular Psychiatry”

07 fevereiro 2012
  |  Partilhar:

Os antipsicóticos, tipicamente prescritos para o tratamento da doença bipolar, esquizofrenia e outros distúrbios de comportamento, conduzem à obesidade e diabetes deixando os pacientes com a difícil escolha entre mãos: melhorar a sua saúde mental ou prejudicar a condição física? O estudo publicado na revista “Molecular Psychiatry” dá conta como estes fármacos interferem no metabolismo.

 

Os investigadores do Sanford-Burnham Medical Research Institute, nos EUA, constataram que os anti psicóticos conseguem interferir com o metabolismo, através da ativação de uma proteína, a SMAD3, a qual está envolvida na via do fator de transformação do crescimento beta (TGF-beta).

 

A via do TGF-beta é um mecanismo celular que regula muitos processos biológicos, incluindo o crescimento celular, inflamação e sinalização da insulina. Neste estudo, os investigadores, liderados por Fred Levine, realizaram experiências em cultura de células e constataram que os antipsicóticos que apresentavam efeitos secundários ativavam a SMAD3, ao contrário dos fármacos que não provocam estes efeitos.

 

Adicionalmente também foi verificado que a ativação desta proteína, pelos antipsicóticos, era independente dos seus efeitos neurológicos, alimentando a possibilidade destes fármacos serem desenhados de forma a reterem os efeitos terapêuticos benéficos para o cérebro, mas não apresentando os efeitos secundários prejudiciais para o metabolismo.

 

De forma a verificar se as observações laboratoriais iniciais eram também relevantes para os pacientes tratados com antipsicóticos, os investigadores foram reanalisar os padrões genéticos de expressão, nos tecidos de pacientes com esquizofrenia que estavam a ser submetidos a um tratamento. O que os autores do estudo observaram veio corroborar os seus primeiros achados, ou seja, que a via de sinalização do TGF-beta só era ativada nos pacientes que tinham sido tratados com antipsicóticos. O estudo revelou que a magnitude com que cada antipsicótico ativava a via do TGF-beta nos cérebros humanos estava intimamente correlacionada com a extensão com que os mesmos fármacos ativaram a SMAD3 e afetaram o promotor da insulina, nas experiências realizadas em cultura de células.

 

A via do TGF-beta também desempenha um papel importante na doença metabólica em pessoas que não tomam medicamentos antipsicóticos. "É conhecido que pessoas que apresentam níveis elevados TGF-beta são mais propensas a desenvolver diabetes. Deste modo, a desregulação desta via, causada pela toma de anti psicóticos ou através de algum outro mecanismo, é claramente algo negativo", revelou, em comunicado de imprensa, Fred Levine. "O fato de os antipsicóticos ativarem esta via deve ser um ponto importante a ser considerado pelas empresas farmacêuticas. Esperamos que esta nova informação conduza ao desenvolvimento de fármacos mais eficazes."

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.