Antioxidante do chá verde usado para preservar sangue e tecido

Estudo publicado na “Cell Transplantation”

22 setembro 2009
  |  Partilhar:

O chá verde tem um composto, denominado “epigalocatequina-3-O-galato” (EGCG), que se mostrou eficaz a prolongar a preservação das plaquetas sanguíneas e tecidos criopreservados, revelam dois estudos japoneses publicados na revista “Cell Transplantation”.

 

Internacionalmente, o período de armazenamento das plaquetas é limitado a cinco dias, enquanto no Japão ele é de apenas três dias.

 

Nestes dois estudos, liderados por Suong-Hyn Hyon, da Universidade de Quioto, no Japão, foi verificado que aquele componente do chá (um poderoso antioxidante) funciona ao evitar a apoptose (morte celular) e ao controlar a divisão celular.

 

Nas investigações, os cientistas verificaram que, ao acrescentarem EGCG aos concentrados de plaquetas, as funções de agregação e coagulação foram mantidas durante seis dias. Como explicação para o fenómeno, os investigadores sugerem que tal possa acontecer devido ao facto de o EGCG inibir a activação das funções das plaquetas e proteger as proteínas (de superfície) e os lipídios das células da oxidação.

 

No outro estudo, os investigadores verificaram que o mesmo composto conseguiu aumentar a duração da preservação dos tecidos da pele de ratinhos congelados para sete semanas a uma temperatura de 4 ºC, ao impedir os danos infligidos pelas baixas temperaturas.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.