Antidepressivos podem abrandar doença de Alzheimer

Estudo publicado na revista “Science Translational Medicine”

19 maio 2014
  |  Partilhar:

Um antidepressivo habitualmente prescrito pode reduzir a produção do principal constituinte das placas amilóides características da doença de Alzheimer, dá conta um estudo publicado na revista “Science Translational Medicine”.
 

A beta-amilóide é uma proteína habitualmente produzida pelo cérebro. Contudo, nos pacientes com doença de Alzheimer esta proteína atinge níveis elevados, o que leva à sua agregação e acumulação em placas. 

 

Os investigadores da Escola de Medicina da Universidade de Washington, nos EUA, já tinham demonstrado que a serotonina, um tipo de mensageiro cerebral, reduzia a produção das placas beta amiloide. Foi também demonstrado que os antidepressivos eram capazes de reduzir os níveis de beta-amilóide em indivíduos saudáveis.
 

Uma vez que a maioria dos antidepressivos mantém a serotonina em circulação no cérebro, os investigadores propuseram-se a testar se estes eram capazes de abrandar a progressão da doença de Alzheimer.  
 

Em 2011, a mesma equipa de investigadores já tinha testado o efeito de vários antidepressivos em ratinhos geneticamente modificados para desenvolver a doença de Alzheimer, à medida que envelheciam. Nos animais que ainda não tinham desenvolvido as placas de beta-amilóide, os antidepressivos foram capazes de reduzir, em média, a produção de proteína em 25% após 24horas da toma.
 

Agora neste estudo, os investigadores administraram aos ratinhos mais velhos, que tinham desenvolvido placas de beta-amilóide, um antidepressivo, o citalopram, tendo-os observado ao longo de 28 dias. Foi verificado que o antidepressivo foi capaz de impedir o crescimento das placas existentes e de reduzir a formação de novas placas em 78%.
 

Os investigadores também administraram uma dose única do antidepressivo a 23 indivíduos, que tinham entre 18 e 50 anos, que não estavam cognitivamente afetados ou deprimidos. As amostras do fluido cefalorraquiadiano retiradas ao longo das 24h seguintes demonstraram uma diminuição de 37% na produção de beta-amilóide.
 

Apesar de os investigadores terem ficado bastante entusiasmados com os resultados obtidos, referem que estes têm também riscos e efeitos secundários associados. Desta forma são necessários mais estudos para definitivamente provar que os antidepressivos ajudam a abrandar ou a parar a doença de Alzheimer nos humanos.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.