Antidepressivo prolonga a vida de verme

Estudo publicado na “Nature”

26 novembro 2007
  |  Partilhar:

 

Um antidepressivo amplamente utilizado conseguiu aumentar em um terço a longevidade de um nematóide, segundo estudos realizados por norte-americanos e publicados na revista científica britânica “Nature”.
 

 

A equipa liderada por Linda Buck, Prémio Nobel de Medicina 2004 (do Fred Hutchinson Cancer Research Center, Seattle, EUA), estudou os efeitos de 88 mil substâncias sobre o "C.elegans" (Caenorhabditis elegans). Da investigação concluiu-se que o antidepressivo mianserina possui efeitos contra a idade nestes nematóides de modo semelhante aos obtidos pela restrição calórica.
 

 

Introduzido na investigação biológica pelo prémio Nobel da Medicina de 2002, Sydney Brenner, o C. elegans tem reputação como organismo-modelo na investigação biomédica, em particular nas áreas da Bioquímica, Genética, Neurociências, Biologia do Desenvolvimento.
 

 

O efeito da mianserina na longevidade do C.elegans (que vive normalmente cerca de três semanas) depende da dose e atinge no máximo um aumento de 31%, unicamente se o fármaco for administrado durante a vida adulta. No entanto, observam os cientistas, o fármaco não modifica o apetite destes seres.
 

 

A mianserina influencia as substâncias químicas do organismo através dos neurotransmissores (serotonina e octopamina). Mas nada prova a possibilidade de ocorrência de efeitos secundários nas pessoas idosas, em particular riscos de patologias do foro hematológico.
 

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.