Antibióticos e os efeitos negativos no desenvolvimento das crianças

Estudo publicado na revista “Nature Communications”

03 julho 2015
  |  Partilhar:

A toma de múltiplos ciclos de antibióticos comuns pode ter um impacto significativo no desenvolvimento das crianças, nomeadamente conduzindo a um aumento de peso, aumento do crescimento ósseo e alteração da flora intestinal, defende um estudo publicado na revista “Nature Communications”.


Estudos anteriores já tinham sugerido que a toma de antibióticos poderia afetar a saúde das crianças. Contudo, na opinião dos investigadores do NYU Langone Medical Center, nos EUA, os resultados obtidos deixaram algumas dúvidas uma vez que foram analisados os efeitos da toma de doses baixas de antibióticos em animais, enquanto as doses tomadas pelos humanos são cerca de 10 a 100 vezes maiores.


Para o estudo, os investigadores administraram a ratinhos três ciclos curtos de amoxicilina (antibiótico de largo espetro), tilosina (que não é utilizado em crianças, mas representa uma outra classe comum de antibióticos denominados por macrolídeos, e que está a ganhar popularidade entre os pediatras) e a um terceiro grupo, uma mistura dos dois fármacos.


De forma a testar os efeitos da utilização de antibióticos pediátricos, os investigadores administraram aos animais a mesma dose terapêutica que a média das crianças recebe nos primeiros dois anos de vida. Um grupo controlo de ratinhos não foi tratado com nenhum fármaco.


Os resultados do estudo vão de encontro aos já encontrados anteriormente que tinham sugerido que a exposição a antibióticos, durante um período específico do desenvolvimento, afetava a flora intestinal e reprogramava permanentemente o metabolismo, fazendo com que houvesse uma predisposição para a obesidade.


Os investigadores, liderados por Martin Blaser, constataram que as terapias curtas e de elevada dose de tilosina tinham um efeito mais pronunciado e duradouro no peso, enquanto a amoxicilina tinha o maior efeito no crescimento ósseo.


O estudo também apurou que a toma dos dois antibióticos também afetou a flora intestinal dos ratinhos. Os fármacos não apenas alteraram as espécies microbianas, como também o número de genes associados a funções metabólicas específicas. Observou-se que a tilosina teve, comparativamente com a amoxicilina, um impacto mais forte na maturidade da flora intestinal. Este efeito aumentou com o número de terapias.


O estudo apurou ainda que a flora intestinal dos ratinhos tratados com antibióticos apresentava uma menor capacidade para se adaptar a alterações ambientais. Os resultados dos estudos sugerem assim que os efeitos mais pronunciados da tilosina no aumento de peso e na alteração do microbioma são especialmente preocupantes, dada a crescente popularidade da prescrição dos macrolídeos. Assim, tendo em conta as evidências encontradas, há necessidade de ter uma maior consciência sobre as potenciais desvantagens do uso excessivo de antibióticos.


ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.