Anemia está associada ao défice cognitivo ligeiro

Estudo publicado no “Journal of Alzheimer's Disease”

18 dezembro 2015
  |  Partilhar:

Investigadores alemães descobriram que os indivíduos com anemia apresentam um baixo desempenho nas funções de memória verbal e executiva, revela um estudo publicado no “Journal of Alzheimer's Disease”.
 

Uma vez que a demência é a fase final de muitos anos de acumulação de alterações patológicas no cérebro, os investigadores focaram-se nos estadios iniciais do distúrbio cognitivo. O défice cognitivo ligeiro representa um estadio intermédio e possivelmente modificável entre envelhecimento cognitivo normal e a demência. Embora os indivíduos com défice cognitivo ligeiro apresentem um risco aumentado de desenvolver demência ou doença de Alzheimer, também podem permanecer estáveis por muitos anos ou mesmo reverter para um estado cognitivamente normal ao longo do tempo. Esta característica modificável faz com que o conceito de défice cognitivo ligeiro seja um alvo promissor na prevenção da demência.
 

No estudo os investigadores utilizaram quatro critérios para diagnosticar o défice cognitivo ligeiro. Em primeiro lugar, os participantes tinham de apresentar um declínio no desempenho cognitivo ao longo dos últimos dois anos. Em segundo lugar, os participantes tinham de demonstrar um comprometimento em tarefas objetivas cognitivas. Em terceiro lugar, este comprometimento não deveria ser tão pronunciado como nos indivíduos com demência, uma vez que os indivíduos com défice cognitivo ligeiro são capazes de realizar atividades quotidianas simples. Por último, o comprometimento cognitivo é insuficiente para cumprir critérios de demência.
 

Para este estudo observacional, os investigadores contaram com a participação de 4.814 indivíduos, metade dos quais eram homens. Após cinco anos do início do estudo, 92% dos participantes foram novamente submetidos a uma avaliação. Foram incluídos 163 participantes com anemia e 3.870 sem esta condição, com o objetivo de comparar o desempenho obtido em todos os testes cognitivos realizados.
 

Os investigadores constataram que os indivíduos com anemia apresentavam um perfil de risco cardiovascular mais pronunciado e um menor desempenho cognitivo. Após terem ajustado a idade, os investigadores verificaram que os indivíduos com anemia apresentavam um desempenho cognitivo significativamente menor, especificamente em tarefas de recordação imediata e fluência verbal.
 

O estudo apurou ainda que o défice cognitivo ligeiro ocorria com uma frequência duas vezes superior nos indivíduos anémicos do que nos sem anemia. Foram encontrados resultados semelhantes para subtipos de défice cognitivo ligeiro, o que indica que os níveis baixos de hemoglobina podem contribuir para o distúrbio cognitivo através de diferentes vias.
 

Estes resultados sugerem que a anemia está associada a um aumento do risco do défice cognitivo ligeiro e que este é independente dos tradicionais fatores de risco cardiovascular. A associação entre a anemia e o distúrbio cognitivo ligeiro é importante uma vez que, dependendo da etiologia, a anemia pode ser tratada eficazmente e pode impedir ou atrasar o declínio cognitivo.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.