Andar de bicicleta pode despistar Parkinson atípico

Estudo publicado na revista “Lancet”

10 fevereiro 2011
  |  Partilhar:

Num artigo publicado na revista “Lancet”, os cientistas sugerem que a resposta a uma simples pergunta: "Você ainda consegue andar de bicicleta?" fornece um bom meio de diagnóstico para a separação da doença de Parkinson do parkinsonismo atípico.

 

Enquanto no diagnóstico de Parkinson não existem dúvidas para o médico, no parkinsonismo atípico, o paciente não apresenta um conjunto completo de sintomas da doença, pairando incertezas quanto ao diagnóstico. A diferenciação da doença de Parkinson do parkinsonismo atípico é importante para o aconselhamento adequado ao paciente e para determinar a inclusão adequada de exames clínicos. O diagnóstico diferencial continua a ser um desafio, mesmo com os actuais conhecimentos clínicos e as modernas investigações complementares.

 

Para o estudo, neurologistas da Radboud University, Holanda, analisaram 156 pacientes com Parkinson, mas sem um diagnóstico definitivo. No início do estudo, os pacientes foram submetidos a uma entrevista estruturada, avaliação neurológica abrangente e testes de ressonância magnética (RM) cerebral. A entrevista incluiu uma pergunta “standard” sobre desde quando e porquê a prática de ciclismo se tornou impossível. O padrão foi o diagnóstico após três anos, baseado no acompanhamento clínico, incluindo exames neurológicos repetidos, a resposta ao tratamento, e RM. Todas as avaliações foram feitas por um único e experiente avaliador e todos os pacientes deram o seu consentimento.

 

Antes da primeira manifestação da doença, 111 pacientes andavam de bicicleta, 45 passaram a desenvolver um padrão de diagnóstico da doença de Parkinson e 64 e uma forma de parkinsonismo atípico. No momento da inclusão (duração média da doença 30 meses), 34 dos 64 pacientes com parkinsonismo atípico tinham parado de andar de bicicleta, ao invés de apenas dois dos 45 pacientes com a doença de Parkinson. A perda das habilidades de ciclismo esteve presente em todas as formas de parkinsonismo atípico. A análise de regressão não revelou efeito significativo da idade, parkinsonismo, ataxia ou sobre a capacidade de ciclismo, sugerindo que este foi um marcador independente de parkinsonismo atípico.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Classificações: 1 Média: 4
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.