Analgésicos elevam a tensão arterial

Estudo demonstra risco de hipertensão

29 outubro 2002
  |  Partilhar:

Analgésicos comuns, como o ibuprofeno e o paracetamol, que compõem a fórmula de inúmeros fármacos vendidos sem receita médica, podem aumentar o risco de hipertensão, de acordo com um estudo da Universidade de Harvard, publicado na revista Archives of Internal Medicine.
 

 

Apesar de terem chegado a esta conclusão, a equipa de investigadores Escola de Saúde Pública de Harvard recomenda os pacientes a não interromperem o uso dos analgésicos.
 

E enquanto os mais cépticos dizem que essa ligação precisa ser confirmada com mais testes, os autores do estudo acrescentam que as suas descobertas são plausíveis, segundo o que se sabe sobre a forma como os medicamentos afectam o organismo.
 

 

O estudo envolveu 80.020 mulheres, entre 31 e 50 anos de idade, que participavam num acompanhamento nacional de saúde e que não tinham apresentado sintomas de hipertensão.
 

A data de início da investigação foi em 1995, altura em que foi elaborado um questionário sobre o uso de analgésicos. Dois anos depois, um levantamento estatístico apurou os dados sobre a tensão arterial das participantes.
 

 

Durante aqueles dois anos, 1.650 participantes desenvolveram hipertensão. As mulheres que relataram tomar paracetamol 22 dias por mês ou mais mostraram-se duas vezes ou mais propensas a desenvolver hipertensão do que aquelas que não usavam a droga.
 

 

Também as mulheres que usavam anti-inflamatórios não-esteroidais com a mesma frequência - sobretudo o ibuprofeno - mostraram-se 86 por cento mais propensas a desenvolver hipertensão do que as que não o faziam. No entanto, a aspirina não pareceu estar associada com o aumento desse risco.
 

 

«Se os riscos relativos parecem altos, os resultados sugerem que a grande maioria das mulheres que tomam o medicamento não vai desenvolver hipertensão», afirmou à CNN William J. Elliott, especialista em medicina interna e farmacologia do Centro Médico Rush-Presbyterian-St. Lukes, em Chicago.
 

 

Elliott, que não participou da investigação, também destacou que faltam no estudo informações sobre as doses usadas pelas mulheres avaliadas. Só assim, segundo o especialista, seria possível estabelecer uma verdadeira relação de causa e efeito.
 

 

Limitações
 

 

Os investigadores da Escola de Saúde Pública de Harvard admitiram algumas limitações no resultado do estudo, como o facto de se terem baseado no relato das próprias mulheres sobre hipertensão.
 

 

Segundo o especialista Gary Curhan, a relação foi constatada, mesmo quando outras explicações foram acrescentadas, incluindo idade e índice de massa corporal.
 

 

O ibuprofeno e outras drogas anti-inflamatórias semelhantes não-esteróides, pode elevar a tensão arterial ao bloquear a produção de prostaglandinas, substâncias que podem alargar os vasos sanguíneos e melhorar o fluxo do sangue. Do mesmo modo, as drogas podem aumentar a retenção de sódio no organismo. O paracetamol também pode aumentar a tensão arterial, ao afectar a produção de prostaglandina, segundo observaram os investigadores.
 

 

Posições
 

 

Para Anthony Temple, médico-investigador da McNeil Consumer and Specialty Products - produtores de analgésicos como Tylenol, Motrin e a aspirina - o estudo «não mostra nenhuma relação de causa e efeito».
 

 

Mesmo com as dúvidas e questões existentes na comunidade médica, adiantou Curhan, este é um tema que deve ser analisado e testado ao pormenor. «Considerando-se que esses medicamentos são vendidos sem receita médica e usados por uma grande proporção da população adulta, essa associação merece mais estudos».
 

 

Traduzido e adaptado por:
 

Paula Pedro Martins
 

MNI-Médicos Na Internet
 

 

Artigo original
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.