Amor é a experiência humana mais poderosa

Poder natural à luz da neurofisiologia

07 junho 2005
  |  Partilhar:

 

 

O sexo e o amor podem ocorrer juntos, mas para o cérebro não são a mesma coisa e o amor é a experiência humana mais poderosa e duradoura, concluiu uma equipa de investigadores norte-americanos. «As áreas do cérebro activadas quando alguém olha para uma fotografia da pessoa amada coincidem apenas parcialmente com as regiões ligadas à excitação sexual», segundo Arthur Aron, um dos autores do estudo a publicar na edição de Julho da revista «Journal of Neurophysiology», publicada pela Sociedade Americana de Fisiologia.
 

 

«O sexo e o amor romântico envolvem sistemas do cérebro muito diferentes», concluiu a equipa, que envolveu investigadores em neurociência, antropologia e psicologia social.
 

 

Os investigadores usaram no seu trabalho imagens obtidas por ressonância magnética dos cérebros de 17 homens e mulheres jovens que se tinham «apaixonado loucamente» pouco antes. Os participantes no estudo responderam a questionários enquanto os seus cérebros eram observados por scanner.
 

 

O amor parece activar as partes do cérebro que são ricas em dopamina, um composto químico que tem efeito sobre as emoções. Outros estudos relacionam essas áreas do cérebro com a motivação por recompensas.
 

 

Fonte: Lusa
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.