Ambiente familiar influencia desenvolvimento de bebés prematuros

Estudo publicado no “Child Development”

17 abril 2015
  |  Partilhar:
Os partos pré-termo, ou seja, aqueles que ocorrem antes das 37 semanas de gravidez, são responsáveis por grande número de mortes e problemas neurológicos em recém-nascidos. Um estudo longitudinal levado a cabo pela Universidade Ben-Gurion, em Israel, revela que um ambiente familiar positivo pode reduzir alguns dos riscos associados ao parto pré-termo.
 
De acordo com os autores, crianças nascidas prematuramente possuem um risco aumentado de apresentar piores capacidades cognitivas e sociais durante a infância, sendo que fatores ambientais, como os cuidados parentais, podem aumentar ou diminuir esse risco.
 
Para o estudo, os investigadores israelitas contaram com a participação de 150 famílias de crianças com dois pais (pai e mãe), de classe baixa e média. Cerca de metade das crianças destas famílias tinha nascido antes do termo (28-34 semanas), sem complicações clínicas significativas, e a outra metade tinha nascido com o tempo de gestação completo (a termo).
 
Os pais responderam a um questionário quando as crianças tinham seis meses de idade. Estes questionários serviram para avaliar sintomas de depressão, ansiedade ou stress decorrentes dos cuidados prestados pelos pais. Além disso, as famílias foram ainda avaliadas em relação ao afeto e cooperação, tendo por base interações gravadas em vídeo dos pais a brincar com os filhos. Quando as crianças atingiram os 12 meses de idade, os investigadores avaliaram as competências cognitivas e sociais destas.
 
Os resultados demonstraram que as crianças nascidas prematuramente eram afetadas principalmente pela qualidade dos cuidados prestados pelos pais, quando comparadas com as crianças nascidas com o tempo completo. As crianças que nasceram prematuramente e que eram expostas a níveis elevados de stress emocional da mãe e a relações tensas e não cooperativas na família revelavam menores capacidades cognitivas e sociais. Por seu lado, aquelas que, mesmo tendo nascido prematuramente, viviam em ambientes com pouca tensão, onde a relação familiar era afetuosa e havia cooperação, apresentavam competências cognitivas semelhantes e melhores capacidades sociais do que aquelas que tinham nascido no final do tempo normal de gravidez. A tensão emocional das mães e a qualidade das relações familiares não afetou o desenvolvimento cognitivo ou social das crianças que tinham nascido no final do tempo normal de gravidez.
 
Segundo os autores, um ambiente tenso entre os pais foi associado a pior desenvolvimento, enquanto um ambiente positivo conseguiu anular os efeitos negativos do nascimento pré-termo em relação ao desenvolvimento cognitivo e social da criança. 
 
Estes achados podem indicar o tipo de monitorização e cuidados que devem ser prestados a crianças que nasceram prematuramente de forma a incluir o acompanhamento do estado emocional da mãe e promover relações positivas entre os diferentes membros da família. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.