Amamentação exclusiva pode reduzir risco de transmissão de HIV ao bebé

OMS revê orientações

02 abril 2007
  |  Partilhar:

 

As mulheres infectadas pelo HIV, cujos filhos se alimentam exclusivamente do leite materno, podem reduzir de maneira significativa o risco de transmissão do HIV às crianças, revela um estudo publicado na última edição da revista científica ”The Lancet”.
 

 

Embora a promoção da amamentação seja um grande dilema para os envolvidos na prevenção da Sida, dados do primeiro teste centrado na relação entre a alimentação infantil e a transmissão mãe-filho do HIV foram tão irrefutáveis que levaram a uma revisão das orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre a prevenção da Sida em recém-nascidos.
 

 

Para o estudo foram recrutadas grávidas atendidas em clínicas pré-natais em Kwazulu-Natal, a província sul-africana mais afectada pela Sida. A maioria das mulheres foi incluída num grupo que apenas amamentou os seus filhos. As outras foram incluídas em dois grupos: o primeiro, de alimentação mista, e o segundo, que adoptou exclusivamente comida ou uma fórmula infantil para alimentar os filhos. Todas receberam aconselhamento.
 

 

Ao todo, 1.372 crianças foram acompanhadas no estudo, 83% das quais pertenciam ao grupo alimentado exclusivamente com leite materno.
 

 

Após três meses, a taxa de infecção por HIV entre o grupo que amamentou exclusivamente foi de 4,04%. No grupo que fez uso da alimentação mista, os bebés que receberam a fórmula láctea em conjunto com leite materno mostraram-se duas vezes mais propensos à infecção por HIV. E aqueles que se alimentaram com comida sólida - normalmente papa de cereais – revelaram-se 11 vezes mais propensos à infecção do que o grupo exclusivamente lactente.
 

 

Além disso, a taxa de mortalidade aos três meses entre os bebés alimentados apenas com leite materno foi de 6,1%, enquanto a dos que receberam alimentação substitutiva foi de 15,1%.
 

 

Um dos principais autores do estudo, Nigel Rollins, da Universidade de Kwazulu-Natal, disse que os motivos que levam a alimentação mista a representar um maior risco de infecção ainda precisam ser mais explorados.
 

 

Uma das causas levantadas pelo cientista é que as proteínas encontradas na fórmula láctea aumentam a vulnerabilidade do organismo da criança ao HIV.
 

 

MNI-Médicos Na Internet

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.