Alzheimer: perda de memória não é suficiente para diagnosticar doença

Estudo publicado na revista “Neurology”

16 setembro 2016
  |  Partilhar:
A perda de memória não é suficiente para diagnosticar a doença de Alzheimer, uma vez que algumas formas de demência causadas pela doença não afetam inicialmente a memória, dá conta um estudo publicado na revista “Neurology”.
 
Existe mais do que um tipo de doença de Alzheimer. Esta doença pode causar problemas de linguagem, comportamentais, de personalidade e de julgamento ou até mesmo afetar o conceito do local onde os objetos estão no espaço.
 
Em alguns casos se a doença afetar a personalidade, pode causar falta de inibição. Emily Rogalski, uma das autoras do estudo, explica que um indivíduo tímido pode deixar de o ser e tentar dar um abraço ou beijo a um estranho.
 
A cientista explica que tudo depende da parte do cérebro que é afetada. Um diagnóstico definitivo é apenas conseguido através de uma autópsia. A tomografia por emissão de positrões é o procedimento imagiológico indicado para detetar, ao longo da vida, a presença da proteína beta amiloide. A acumulação desta proteína no cérebro é uma das características da patologia da doença.
 
No estudo, os investigadores do Centro de Doença de Alzheimer e Neurologia Cognitiva, nos EUA, identificaram as características clínicas dos indivíduos com afasia progressiva primária, uma demência rara que conduz a um declínio progressivo da capacidade de linguagem devido à doença de Alzheimer. No início da afasia progressiva primária, a memória e outras capacidades de raciocínio ainda estão relativamente intactas.
 
A afasia progressiva primária pode ser causada tanto pela doença de Alzheimer como por outra família de doenças neurodegenerativas, conhecida por degeneração lobar frontotemporal. No estudo, a presença da doença de Alzheimer foi confirmada através da realização de uma tomografia por emissão de positrões ou confirmada através da autópsia.
 
O estudo demonstrou que o conhecimento dos sintomas clínicos não é suficiente para determinar se um indivíduo tem afasia progressiva primária devido à doença de Alzheimer ou a outro tipo de doença neurodegenerativa. Desta forma, os investigadores concluem que os biomarcadores, como a deteção da acumulação da proteína beta amiloide através da realização da tomografia por emissão de positrões, são necessários para identificar a causa neuropatológica.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.