Alimentos terapêuticos sem provas científicas

Agência para os Alimentos e Medicamentos autoriza publicidade

16 julho 2003
  |  Partilhar:

Uma controversa regulamentação norte-americana permite aos produtores publicitarem os possíveis efeitos terapêuticos dos alimentos antes destes serem comprovados de forma científica.
 

 

Na semana passada, a Agência para os Alimentos e Medicamentos (FDA em inglês, entidade que regula o sector nos EUA) abrandou as restrições quanto à necessidade de prova científica para pôr um aviso de benefício terapêutico nas embalagens dos alimentos.
 

 

Terça-feira, a FDA aprovou os primeiros novos «avisos qualificados de benefícios terapêuticos» em alimentos, para amêndoas, avelãs, nozes, pistácios e amendoins.
 

 

Os pacotes destes frutos secos podem agora ter a seguinte inscrição: «evidências científicas sugerem, mas não provam, que comer cerca de 50 gramas por dia como parte de uma dieta baixa em gorduras saturadas e colesterol pode reduzir o risco de doença cardíaca».
 

 

O conselho é um pouco surpreendente tendo em conta que as nozes tendem a ser altas em gordura, mas a FDA não aprovou a indicação para as que são mais calóricas, disse a chefe de nutrição da agência, Christine Taylor.
 

 

A Associação norte-americana para o Coração (AHA) diz há muito tempo que algumas nozes contêm diferentes tipos de gordura que são benéficas para o coração, as polinsaturadas e monoinsaturadas.
 

 

Daí que os produtores de nozes tenham citado a posição da AHA e alguns estudos que apoiam as dietas ricas em nozes para obter a autorização da FDA de promover o respectivo potencial terapêutico.
 

 

A decisão mereceu a ira dos grupos de consumidores, que dizem que, na melhor das hipóteses, os avisos sobre potenciais efeitos terapêuticos vão confundir os norte-americanos, pois anteriormente os avisos em pacotes de comida só podiam ter declarações cientificamente comprovadas.
 

 

«Que vai acontecer se o aviso acabar por ser falso mais tarde? Ninguém poderá obter o seu dinheiro de volta», disse Bruce Silverglade do Centro para Ciência no Interesse Público.
 

 

Também não se sabe se os consumidores irão compreender o facto dos benefícios das nozes não estarem ainda comprovados, disse Silverglade.
 

Por isso, a indústria dos frutos secos está a negociar com a FDA para promover mais investigação científica de forma a averiguar os benefícios destes alimentos, disse Taylor.
 

 

Fonte: Lusa
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.