Alemanha revela números sobre mortes por Viagra

Três anos após o lançamento no mercado, o medicamento já provocou 616 mortes

09 setembro 2001
  |  Partilhar:

Depois de três anos a espalhar felicidade sexual, o Viagra já provocou 616 mortes em todo o mundo, 77 das quais na União Europeia, de acordo com dados divulgados, na sexta-feira, pelo ministério da Saúde da Alemanha.
 

 

Apesar das vítimas consumirem o medicamento, o mesmo comunicado adverte que não se deve atribuir ao laboratório Pfizer - responsável pela produção do medicamento contra a impotência - a culpa pelas mortes verificadas em todo o mundo.
 

 

Estes números foram fornecidos pelo centro de observação em Uppsala, Suécia, a pedido de um parlamentar alemão
 

O porta-voz da Pfizer em Nova Iorque, Jeoff Cook, disse à Reuters que o medicamento é seguro e efectivo quando consumido segundo a prescrição médica. ”Testes clínicos bem controlados demonstraram não haver diferença entre os casos de ataques cardíacos entre pacientes tratados com Viagra e outros que receberam placebo”, disse o porta-voz.
 

 

O Instituto Alemão para Produtos Médicos e Farmacêuticos registrou 77 mortes na União Europeia e 30 na Alemanha, de acordo ainda com o comunicado do ministério da Saúde em Berlim.
 

 

Uma porta-voz do ministério disse poder comentar apenas os casos ocorridos na Alemanha. ”Em 30 casos na Alemanha, os pacientes morreram, em algum momento, após a toma de Viagra, regra geral devido a complicações cardíacas ou circulatórias”, garantiu a porta-voz
 

 

Mas, segundo a responsável, "não se pode afirmar que essas pessoas tenham morrido porque tomaram Viagra".
 

Isto porque, acrescenta ainda a mesma fonte, "essas pessoas tinham um histórico clínico de problemas cardíacos e circulatórios e o medicamento (Viagra) provavelmente não era recomendável", acrescentou.
 

 

Muito se tem falado sobre ataques cardíacos entre homens que tomam Viagra, embora um estudo efectuado em Inglaterra, no início deste ano, a 5.600 consumidores do medicamento tenha demostrado que o fármaco não aumenta o risco de doenças cardíacas nos homens.
 

 

“Muitos pacientes que tomam Viagra têm doenças cardiovasculares, tal como hipertensão, e a disfunção eréctil é um sintoma desses problemas”, aponta ainda Cook, concluindo que, "assim, também estão no grupo de risco de ataques cardíacos”.
 

 

O Viagra foi lançado no mercado nos EUA, em 1998, e é um dos medicamentos mais vendidos no mundo. Só no ano passado, a Pfizer arrecadou mais de um bilhão de dólares. Cerca de 15 milhões de homens já tomaram Viagra desde seu lançamento.
 

 

Paula Pedro Martins
 

 

MNI - Médicos Na Internet
 

Fonte: Reuters e CNN
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.