Água e ar estão poluidos

Setúbal, Alcácer do Sal e Norte Litoral são as zonas mais afectadas

02 dezembro 2002
  |  Partilhar:

Os rios portugueses estão doentes e o ar também não «anda» bem. A Península da Setúbal/Alcácer do Sal e o Norte Litoral são as zonas onde a concentração de determinados poluentes é maior. A análise por aglomerado – que faz parte do Relatório do Estado do Ambiente 2001, disponível na Internet – dá conta da superação dos valores-limite para 2005 em Braga, Porto Litoral e na Área Metropolitana de Lisboa, Norte e Sul.
 

 

Sobre a avaliação preliminar da qualidade do ar, para protecção da saúde humana naquelas zonas, pode ler-se que “os poluentes com níveis de concentração superiores são as partículas em suspensão PM10 e o NO2”.
 

 

Segundo explicou ao Correio da Manhã o pneumologista e director do Hospital do Barreiro Telles de Araújo, as partículas PM10 representam perigo porque, devido à sua pequenez, (diâmetro inferior a 10 micra) “penetram mais profundamente até aos alvéolos pulmonares”, ressalvando, contudo, que a concentração excessiva daquelas pode ser momentânea, por exemplo quando muitos automóveis estão em fila. Quanto ao dióxido de azoto (NO2), associado ao tráfego automóvel, sublinhou-lhe “a agressividade para o sistema pulmonar”.
 

 

Rios
 

 

A qualidade da água dos rios – “frequentemente preocupante” – é resultado de apenas metade da população ser servida por sistemas de drenagem e tratamento de esgotos. Ou seja, os que são produzidos pela outra metade vão directamente para o rio.
 

 

Sobre a insuficiência dos sistemas de tratamento de águas residuais, pode ler-se no mesmo relatório que “a percentagem de população servida, 50 por cento em 2000, ainda está bastante aquém da meta definida no III Quadro Comunitário de Apoio, para 2006, que é de 90 por cento”.
 

 

O aumento da concentração de nitratos (considerados cancerígenos) nos rios, constatada naquele documento, “fica a dever-se, em parte, à descarga de águas residuais sem tratamento prévio e também ao facto de os fertilizantes azotados serem os mais utilizados na agricultura”.
 

 

Transportes, energia e litoralização
 

O sector dos transportes foi responsável por 55 por cento das emissões totais nacionais de monóxido de carbono, 44 por cento do óxido de azoto e 22 por cento do dióxido de carbono. Além de contribuírem para o efeito de estufa, tais substâncias justificam a poluição atmosférica a nível local e regional. Se perguntarmos a que se deve o peso dos transportes no total das emissões, basta notar que a taxa de utilização do automóvel duplicou entre 1990 e 2000.
 

 

Cerca de 90 por cento da energia consumida em Portugal é importada. País pobre em recursos energéticos de origem fóssil, a dependência é quase total dada a fraca exploração das Fontes Renováveis de Energia (FRE ). Aqui o lugar prioritário é das grandes hídricas, com 93 por cento em 2000 (depende do ano hidrológico). A mini-hídrica foi responsável por 5 por cento da energia eléctrica produzida a partir das FRE, a eólica por 1,5 e a geotérmica por 0,7.
 

 

Excepções
 

 

O Relatório assinala a continuidade da "movida" para o Litoral – um fenómeno associado “a perda de qualidade de vida” – à custa do Interior. Mas há excepções: Chaves, Bragança, Vila Real, Viseu, Guarda, Covilhã, Castelo Branco e Évora contrariam a regra. Crescem. No capítulo sobre Ordenamento do Território, nota-se ainda que o turismo, “ao contrário, do que por vezes se pretende veicular, exerce pressões sobre os "habitats" e compete por recursos escassos, como a água”.
 

 

Veja mais em: Correio da Manhã
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.