Afrontamentos ligados a uma redução significativa do risco do cancro de mama

Estudo publicado na revista “Cancer Epidemiology Biomarkers and Prevention”

10 fevereiro 2011
  |  Partilhar:

Quanto mais frequentes e graves são os afrontamentos na menopausa, menor o risco de a mulher desenvolver cancro da mama, aponta um estudo publicado na revista “Cancer Epidemiology Biomarkers and Prevention” que é o primeiro a examinar a relação entre estes dois factores.

 

Segundo um estudo recente da Fred Hutchinson Cancer Research Center, EUA, as mulheres que tiveram afrontamentos e outros sintomas da menopausa poderão ter um risco 50% menor de desenvolver as formas mais comuns de cancro de mama do que mulheres na pós-menopausa que não passaram por esses sintomas.

 

De acordo com o autor do estudo, Christopher I. Li, o efeito protector parece aumentar com o número e a gravidade dos sintomas da menopausa. "Em particular, verificámos que as mulheres que tiveram ondas de calor mais intensas - do tipo acordarem durante a noite - tinham um risco particularmente baixo de cancro de mama".

 

A equipa explicou, em comunicado, suspeitar que a ligação entre um maior sofrimento na menopausa e o menor risco de cancro da mama se deva às hormonas como o estrógenio e a progesterona, as quais desempenham um papel importante no desenvolvimento da maioria dos cancros da mama. As reduções dos níveis destas hormonas, causadas pelo abrandamento gradual da função da ovulação, podem afectar a frequência e a gravidade dos sintomas da menopausa.

 

Os cientistas verificaram uma redução, entre 40% a 60%, no risco de carcinoma ductal invasivo e do invasivo lobular - os dois tipos mais comuns de cancro da mama - entre as mulheres acometidas por afrontamentos e outros sintomas. A associação entre esses sintomas e a diminuição do risco de cancro não se alterou, mesmo após os investigadores terem em conta outros factores conhecidos por aumentarem o risco de cancro da mama, tais como, a obesidade e o uso de terapia de reposição hormonal.

 

Para o estudo, financiado pelo National Cancer Institute, a equipa entrevistou 1.437 mulheres, que passaram pela menopausa, 988 das quais tinham sido previamente diagnosticados com cancro da mama e 449 não apresentavam doença, servindo como grupo de controlo.

 

As mulheres foram inquiridas sobre os sintomas da perimenopausa e menopausa, como afrontamentos, suores nocturnos, insónia a secura vaginal, depressão, hemorragias irregulares ou fortes, e ansiedade.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.