Acidentes por mergulho em Portugal

Lesões atingem faixa etária extremamente jovem

13 junho 2013
  |  Partilhar:

No ano passado ocorreram em Portugal 17 casos de lesões traumáticas provocadas por mergulho, sendo que 40% das vítimas tinham menos de 19 anos e cerca de 70% dos acidentes aconteceram com jovens com menos de 29 anos, dá conta um estudo realizado a nível nacional durante a época balnear pelos médicos Ricardo Prata e Jorge Mineiro, em colaboração com a Sociedade Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia (SPOT).
 

"Quarenta por cento do total das lesões ocorrem em indivíduos abaixo dos 19 anos, e cerca de 70% abaixo dos 29 anos. São lesões que atingem uma faixa etária extremamente jovem, e que são naturalmente dramáticas pelas consequências futuras, não só para a própria pessoa, mas também para a família e para a sociedade", revelou à agência Lusa o professor Paulo Felicíssimo, da SPOT, após a primeira iniciativa de sensibilização diante de uma centena de alunos.
 

Apesar de serem "apenas" 17 os casos verificados em 2012, o responsável explicou a importância de alertar e sensibilizar a população mais jovem, no sentido de prevenir os traumatismos vertebro-medulares provocados por acidentes relacionados com o mergulho.
 

"Podemos pensar que o número não é exagerado. Na realidade, o ano passado tivemos 17 lesões por traumatismo de mergulho. Não é um número muito elevado, mas pensar que temos indivíduos tão jovens que vão ficar agarrados o resto da sua vida a uma cadeira de rodas, é algo que nos faz sofrer muito e que nos leva a desencadear uma campanha, mesmo que seja só para evitarmos mais um caso", acrescentou.
 

Adicionalmente, as pessoas que sofrem este tipo de traumatismos associados ao mergulho, pela quantidade de cuidados médicos de que necessitam para manter uma vida com alguma qualidade, "são um encargo para a família e para a própria sociedade".
 

Paulo Felicíssimo acrescentou que as lesões podem "agarrar as vítimas a uma cadeira de rodas para o resto da vida", ou, como os traumatismos são ao nível da coluna cervical, atingem normalmente os membros superiores, o que, muitas vezes, significa que o paciente fica com dificuldades em se alimentar e totalmente dependente.
 

O professor da Sociedade Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia considerou essencial a prevenção e deixou alguns conselhos: "Devemos mergulhar em locais que conheçamos e evitar zonas como rios ou lagos. Na praia, evitar mergulhar nas rochas, ou sem conhecermos a altura e o que é que existe por debaixo da água”.
 

O não respeito por aqueles conselhos pode provocar acidentes responsáveis por traumatismos cervicais e paralisias tão graves como a tetraparesia [incapacidade parcial de realizar movimentos voluntários com todos os membros] ou a tetraplegia [incapacidade total de realizar movimentos]".
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.