Abdominoplastia: Universidade do Porto e Hospital São João em ensaios clínicos

Declarações de uma cirurgiã plástica

19 abril 2016
  |  Partilhar:

Pacientes do Hospital São João do Porto integraram ensaios clínicos para aplicar a técnica da termografia em cirurgias do abdómen, retirando pele e gordura em excesso com o objetivo de diminuir os riscos e melhorar os resultados estéticos.
 

A cirurgiã plástica e investigadora principal do estudo, Rita Valença Filipe, referiu à agência Lusa que o trabalho, que começou em dezembro passado, juntou a termografia à abdominoplastia. A médica refere que se encontram atualmente em curso, no Hospital de São João do Porto, ensaios com 20 doentes que estavam inscritos para abdominoplastia no Serviço Nacional de Saúde.
 

O estudo surge de uma cooperação entre as Faculdades de Medicina e de Engenharia da Universidade do Porto (UP) com o Hospital de São João e tem como objetivo estudar como é que a técnica da termografia médica pode ajudar na recuperação e diminuição de riscos de doentes que recorrem à abdominoplastia, disse Rita Filipe, classificando a colaboração de "extremamente importante" e “benéfica" para todas as partes.
 

O estudo pretende ajudar a uma melhor recuperação do doente, assim como obter um melhor resultado estético, mas também diminuir a taxa de complicações e riscos da abdominoplastia, um dos procedimentos mais utilizados no âmbito da cirurgia plástica.
 

A abdominoplastia consiste na remoção de gordura e pele excedentária da região infraumbilical, com o intuito de melhorar o contorno corporal em doentes que sofreram, por exemplo, de uma redução de peso acentuada, ou apresentem flacidez cutânea após gravidez, ou “que queiram simplesmente melhorar o contorno abdominal”, explicou a especialista.
 

“Aumentar o conhecimento na área da abdominoplastia numa perspetiva anatómica, fisiológica e clínica, com o intuito final da diminuição do risco e melhoria e refinamento de um procedimento que ainda vai apresentando alguma morbilidade” são objetivos do projeto.
 

O estudo vai permitir, ao aplicar a termografia (uma técnica de imagem inócua para o paciente), aumentar o conhecimento anátomo-fisiológico da parede abdominal durante o procedimento de abdominoplastia.
 

Ricardo Vardasca, investigador doutorado em Termografia Médica no Reino Unido, secretário-geral da Associação Europeia de Termologia e que está a colaborar no projeto, explicou que a termografia médica é uma modalidade de imagem médica que permite avaliar a distribuição da temperatura à superfície da pele ou tecidos do corpo humano, dando uma informação mais objetiva aos médicos.

 

“Desta forma podem avaliar-se procedimentos de cirurgia plástica e reconstrutiva, dando uma informação mais objetiva aos cirurgiões que poderá no futuro influenciar a forma da realização dos procedimentos cirúrgicos e ajudar a determinar melhor o período de recuperação”, referiu o investigador.

 

A outra mais-valia do uso da termografia é a “identificação dos vasos sanguíneos principais nas situações onde há necessidade de transferência de tecidos/retalhos, facilitando a sua ligação e mais rápida recuperação”.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.