A viabilidade da congelação de Ovócitos

Mulher deu à luz uma menina utilizando as suas próprias células germinativas congeladas

15 outubro 2002
  |  Partilhar:

Uma mulher britânica deu à luz uma menina saudável, que resulta da fertilização dos seus ovócitos, depois destes terem sido congelados. O caso de Helen Perry e da sua filha Emily é o primeiro deste género e foi apresentado nos jornais e na televisão do Reino Unido como o início de um futuro em que as mulheres poderão adiar a gravidez até ao momento que considerem mais propício, congelando os seus óvulos enquanto são jovens.
 

 

Helen Perry não é uma mulher de carreira que tenha querido adiar a gravidez. Ela queria mesmo ficar grávida do seu marido, Lee, com quem está casada há 17 anos, pelo que se submeteu a tratamentos de infertilidade.
 

 

Recebeu estimulação hormonal, para produzir uma boa quantidade de ovócitos, para tentar conceber naturalmente. Mas os seus ovários reagiram em demasia ao tratamento, e amadureceram demasiadas células. Como o casal não queria arriscar uma gravidez com mais de dois embriões, optou por congelar os ovócitos. Destruí-los ia contra os seus princípios religiosos (ambos são testemunhas de Jeová).
 

 

Seis meses depois, cinco dos ovócitos foram retirados do congelador e quatro sobreviveram à descongelação. A primeira tentativa fracassou mas, à segunda, Helen Perry ficou grávida de Emily, que nasceu há três meses.
 

Esta não é a primeira vez que nasce uma criança utilizando ovócitos congelados. Mas, até agora, os ovócitos provinham de dadoras. Helen Perry é a primeira mulher a ter um bebé utilizando os seus próprios ovócitos congelados.
 

 

Leia tudo no:Público
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.