“Bom colesterol” poderá não proteger contra doença cardíaca

Estudo publicado no “Journal of the American Heart Association”

11 maio 2012
  |  Partilhar:

Uma sub-classe do colesterol HDL, o chamado “bom” colesterol, pode não proteger contra a doença coronária e pode, pelo contrário, ser prejudicial, dá conta um estudo publicado no “Journal of the American Heart Association”.

 

Este é o primeiro estudo a mostrar que uma pequena molécula denominada por apolipoproteína C-III (apoC-III), encontrada por vezes na superfície do colesterol HDL, pode aumentar o risco de doença cardíaca e que o colesterol HDL sem esta proteína pode proteger o coração.

 

“Se estes resultados forem confirmados em futuros estudos, poderão conduzir a uma melhor avaliação do risco de doença cardíaca e a tratamentos que aumentem o efeito protetor do HDL e que diminuem o efeito prejudicial do HDL com a apoC-III”, revelou em comunicado de imprensa, o líder do estudo, Frank Sacks.

 

Um elevado nível de colesterol HDL está associado a um menor risco de doença coronária. Contudo, os ensaios realizados com fármacos que aumentam os níveis deste colesterol não têm mostrado uma diminuição consistente da doença coronária, levando os cientistas a colocar a hipótese de o colesterol HDL pode ter um componente protetor e outro não protetor.

 

Tendo em conta que a proteína pró-inflamatória apoC-III está presente tanto no colesterol LDL como no HDL, os investigadores, liderados por Sacks and Majken Jensen, decidiram analisar se a presença ou ausência desta proteína no colesterol HDL afetava as suas propriedades protetoras. Adicionalmente também investigaram se a sua existência poderia diferenciar o colesterol HDL em duas subclasses - uma que protege contra o risco futuro de doença cardíaca e outra que não protege.

 

Para o estudo os investigadores recolherem amostras de sangue de 32.826 mulheres e 18.225 homens, tendo verificado que durante o período de acompanhamento, que teve uma duração de 10 a 14 anos, ocorreram 634 casos de doença coronária. Após terem comparado as concentrações de HDL total, HDL com apoC-III e HDL sem apoC-III, os investigadores descobriram que as duas subclasses de HDL apresentavam associações opostas no que respeita ao risco de doença coronária.

 

Os 20% dos participantes que apresentaram os níveis mais elevados de HDL apoC-III tinham um risco 60% maior de doença cardíaca.

 

Os resultados sugerem assim que a medição do HDL apoC-III e do HDL sem apoC-III pode ser um melhor indicador, do que o HDL total no risco cardíaco.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.