“Bebés Irritáveis”

Consultas gratuitas na Unidade de Primeira Infância do Hospital D. Estefânia

07 agosto 2012
  |  Partilhar:

Os “sintomas” mais reportados na Consulta dos Bebés Irritáveis da Unidade de Primeira Infância do Hospital D. Estefânia são as longas horas de sono, as noites sem dormir e preocupação constante.

 

“Um bebé irritável é aquele que os pais consideram irritável. É difícil de acalmar, frequentemente dorme mal e tem birras além do expectável. É um bebé com que os pais têm muita dificuldade em lidar”, revelou o responsável da unidade, Pedro Caldeira da Silva, à agência Lusa.
 

A definição é ampla, porque nela se inserem bebés muito diferentes, com reações distintas em relação ao seu meio ambiente e ao seu relacionamento familiar.
 

Para procurar as causas do choro intenso dos bebés estão nesta consulta envolvidos dois pedopsiquiatras, duas enfermeiras especialistas em saúde mental, uma psicóloga e uma assistente social. A pesquisa inicial passa por conhecer as características individuais de cada um com o objetivo de “melhorar a vida” das crianças e das famílias.
 

Pedro Caldeira da Silva explica que perceber a reação de cada bebé aos estímulos é a chave para resolver os problemas: “Há bebés que no momento do sono precisam do contacto pele a pele para se acalmarem e há outros que não suportam estar em contacto”.
 

Mas há bebés realmente deprimidos, que têm “problemas de humor”, geralmente provocados pelas relações que estabelecem com as pessoas que deles tratam.
 

A depressão materna está muito associada aos bebés irritáveis, revela o pedopsiquiatra, indicando que pode ser a própria irritabilidade do bebé a desencadear a depressão na mãe e não o contrário. “Depressão materna e irritabilidade vêm muito em conjunto e é preciso quebrar ciclos viciosos”, acrescenta.
 

Após o diagnóstico, o “tratamento” tanto pode incidir no bebé como num dos pais: “Ao fazermos a observação da criança e da família vemos onde podemos ajudar com mais eficácia. Há casos em que o apoio psiquiátrico deve ser dado a um dos pais. E por uma reação em cadeia pode resultar numa melhoria global e da criança”.
 

O médico explica que é por volta dos seis meses que começam a chegar bebés a esta consulta: uma altura que coincide com o regresso das mães ao trabalho e em que a “desculpa” das cólicas já não encaixa.
 

As consultas são gratuitas e sem referenciações complicadas, bastando um telefonema dos pais. Mas Pedro Caldeira da Silva avisa que é fundamental garantir primeiro que o choro não tem causa orgânica: “Quando há choro excessivo a primeira coisa a fazer é ir ao médico assistente. A ajuda da saúde mental vem numa segunda linha”.

 

Em oposição aos “Bebés Irritáveis”, a mesma equipa criou recentemente a consulta para “Bebés Silenciosos”, numa tentativa de responder a bebés com muita dificuldade de relacionamento e de envolvimento com as pessoas e o ambiente.

 

“Estes bebés que não dão muito trabalho podem passar despercebidos. Podem estar muito tempo sem se envolverem com alguém, justificando-se o olhar de um especialista”, explica Caldeira da Silva.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.