Transfusão de glóbulos vermelhos «congelados»

Artigo de:

Dr. António Fontelonga - Internista, Oncologista e Hematologista - 22-Abr-2002

  |  Partilhar:

Descrição do componente

Glóbulos vermelhos «congelados» («frozen RBC»- na terminologia anglo-saxónica ) são preparados pela adição de glicerol, um agente crioprotector, ao sangue. A unidade é, então, congelada a temperaturas abaixo dos -65º C, até um máximo de 10 anos. Após serem descongelados e removidos do agente crioprotector, espera-se uma recuperação de, pelo menos, 80% dos glóbulos vermelhos originais.

 

A unidade é, em seguida, armazenada a 1-6º C até um máximo de 24 horas, antes da transfusão. Indicações Esta técnica é extremamente útil nas seguintes situações clínicas: Preservação a longo prazo de grupos sanguíneos raros, em que é difícil encontrar dadores (por exemplo, fenótipo Bombaim).

 

Armazenamento de unidades de glóbulos vermelhos autólogas. Estas unidades são obtidas do próprio doente antes de uma cirurgia em que se espera uma certa perda de sangue que exigirá transfusões de glóbulos vermelhos. Durante ou após a operação, os glóbulos vermelhos do próprio doente, que tinham sido armazenados, são reinfundidos. Com este método evitam-se certas complicações das transfusões de glóbulos vermelhos como, por exemplo, as reacções hemolíticas agudas ou a transmissão de agentes infecciosos. Transfusão de RBC em indivíduos CMV-negativos (isto é, que nunca tiveram uma exposição ao citomegalovírus - CMV), de forma a diminuir a incidência de transmissão do vírus (seroconversão de CMV). Este vírus pode originar infecções graves, potencialmente mortais, em indivíduos imunosuprimidos (por exemplo, pós-transplante de medula óssea).

 

Contraindicações e precauções

Em geral, os riscos são os mesmos dos concentrados de glóbulos vermelhos clássicos ou «lavados». No entanto, os glóbulos vermelhos «congelados» não transmitem infecções por CMV mas transmitem outros agentes infecciosos (por exemplo, vírus das hepatites B e C) e possuem linfócitos viáveis. Estes linfócitos são responsáveis pelo síndroma de GVHD (graft-versus-host disease). Dose e administração Unidades de glóbulos vermelhos «congelados» devem ser administradas através de um filtro. Tal como os glóbulos vermelhos «lavados», os glóbulos vermelhos «congelados» perdem alguns glóbulos vermelhos durante o seu processamento, pelo que os doentes podem necessitar de transfusões com maior frequência. A dose depende do processo clínico e da gravidade da anemia. Os cuidados na administração são os mesmos das transfusões de glóbulos vermelhos clássicos.

Artigo de:

Dr. António Fontelonga - Internista, Oncologista e Hematologista - 22-Abr-2002



Partilhar: