Transfusão de glóbulos vermelhos

Artigo de:

Dr. António Fontelonga - Internista, Oncologista e Hematologista - 22-Abr-2002

  |  Partilhar:

Descrição do componente

Os concentrados de glóbulos vermelhos são separados do sangue total através da remoção de 200-250 mL de plasma. São armazenados a 1-6 ºC, usando uma variedade de diferentes solutos anticoagulantes/preservativos. O prazo de validade dos concentrados de glóbulos vermelhos varia entre 35-40 dias. O volume de 1 Unidade de glóbulos vermelhos é de 250-350 mL. Os glóbulos vermelhos armazenados não contêm glóbulos brancos ou plaquetas funcionais. Preparados de glóbulos vermelhos e de sangue total têm a mesma capacidade de transporte de oxigénio, visto que contêm o mesmo número de glóbulos vermelhos.

 

Indicações

Os glóbulos vermelhos estão indicados no tratamento de anemias que requerem um aumento da capacidade de transporte de oxigénio e da massa dos glóbulos vermelhos. Exemplos comuns incluem anemias agudas graves e anemias crónicas secundárias a falência renal ou doenças malignas. Os critérios de transfusão de glóbulos vermelhos devem ser clínicos e não baseados só num valor pré-determinado da hemoglobina ou hematócrito. A transfusão de glóbulos vermelhos deve ser considerada quando doentes com baixa significativa da hemoglobina ou hematócrito se apresentam sintomáticos (por exemplo, taquicardia, falta de ar, palidez, fadiga, síncope, hipotensão postural, angina de peito ou hipóxia cerebral).

 

As anemias agudas (por exemplo, hemorragias graves) são mal toleradas, devido ao facto de os mecanismos fisiológicos de compensação não terem tempo de actuar. Pelo contrário, anemias crónicas, lentamente progressivas, são bem toleradas. Muitos doentes suportam bem anemias crónicas com níveis de hemoglobina de 7-9 gm/dL sem necessidade de transfusão. Se o doente está estável do ponto de vista hemodinâmico, a causa específica da anemia deve ser corrigida, antes da transfusão de glóbulos vermelhos (por exemplo, terapêuticas com ferro, ácido fólico, vitamina B12 ou, em casos seleccionados, eritropoietina, que é uma hormona estimulante da eritropoiese (formação de glóbulos vermelhos) medular e, em última análise, da diferenciação de glóbulos vermelhos.

 

Contra-indicações e precauções

Quantidades excessivas de glóbulos vermelhos podem causar hipervolemia (expansão exagerada do fluido intravascular), o que acarreta o risco de falência cardíaca e edema agudo do pulmão, especialmente em doentes idosos com doença cardíaca ou pulmonar. Outras complicações incluem: Reacções hemolíticas de natureza imune, em que anticorpos do recipiente da transfusão reagem contra antigenes da membrana dos glóbulos vermelhos, com consequente destruição dos glóbulos vermelhos . Os glóbulos vermelhos transfundidos devem ser compatíveis com os glóbulos vermelhos do doente, no que respeita aos principais grupos sanguíneos, incluindo os grupos ABO e Rh, entre outros. Transmissão de agentes infecciosos (por exemplo, vírus das hepatites B e C, vírus HIV - agente da Sida, citomegalovírus - CMV, sífilis ). Hoje em dia, com as técnicas modernas de tratamento dos preparados de glóbulos vermelhos, o risco é mínimo, mas real. Reacções alérgicas, de hipersensibilidade imediata (urticária, angioedema, broncospasmo, anafilaxia) são causadas por mecanismos imunes contra proteínas plasmáticas presentes nos concentrados de glóbulos vermelhos. Reacções febris, com arrepios, calafrios e febre, são causadas pela presença de mediadores celulares solúveis (por exemplo, citokinas) segregados por glóbulos brancos (leucócitos) que estão presentes, em reduzida quantidade, nos concentrados de glóbulos vermelhos.

 

Dose e administração

Os preparados de glóbulos vermelhos devem ser transfundidos através de um filtro. A dose e a velocidade de transfusão são determinadas pelo contexto clínico. Em geral, 1 Unidade de glóbulos vermelhos deve ser administrada durante 2-3 horas. Resultados após a transfusão Os sintomas de anemia devem desaparecer após a transfusão. Por cada unidade de glóbulos vermelhos administrada, em adultos sem hemorragia activa, o hematócrito deve aumentar 3% e a hemoglobina deve aumentar 1gm/dL.

Artigo de:

Dr. António Fontelonga - Internista, Oncologista e Hematologista - 22-Abr-2002



Partilhar: