Febre

Artigo de:

Dr. José Matos - Pediatra - 27-Abr-2009

  |  Partilhar:

O que é?
 

A febre é das causas mais frequentes de idas a consultas de Pediatria.
 

A febre é o aumento da temperatura do corpo. Apesar de haver diferenças mínimas de valores consoante os locais onde a temperatura é medida, vamos considerar febre a temperatura acima dos 37,5ºC.
 

A febre é um mecanismo de defesa do organismo no combate à infecção. É frequente aparecerem tremores musculares e calafrios.
 

A forma como aparece (rápido/lenta), a duração, assim como os sinais e sintomas relacionados com o aspecto geral da criança, vão-nos dar as informações necessárias para chegarmos a um diagnóstico. Se, para além da febre, houver outros sintomas a acompanhar, como diarreia, vómitos, dores de ouvidos, a mãe deve procurar o seu médico assistente.
 

Felizmente, a maior parte das febres numa criança bem nutrida é devida a viroses e algumas doenças exantemáticas.

 

Factores de risco

Exposição excessiva ao sol.
 

Crianças mais pequenas, menos de 3 meses de idade.
 

Crianças com as defesas diminuídas.

 

Sinais e sintomas
 

Aumento da temperatura corporal e transpiração excessiva.

 

Diagnósticos
 

Com um termómetro. Desinfectá-lo, colocá-lo na axila, na virilha ou recto durante 2 minutos. Retirá-lo cuidadosamente e anotar a temperatura, local da medição, dia e hora.
 

NOTA EXTRA:
 

As crianças entre os 6 meses e os 4 anos de idade podem apresentar convulsões durante um episódio febril. Estas convulsões resolvem-se rapidamente com Diazepam. 40% das crianças que tiveram convulsões febris podem vir a ter um segundo episódio.

 

Tratamentos

Se a febre não for demasiado elevada e a criança apresentar bom estado geral, na ausência de outros sintomas conseguiremos controlar a febre com banhos tépidos, retirando roupa e, eventualmente, com Paracetamol. Depois, podemos esperar e ver o que acontece nas 24 horas seguintes.
 

- Baixar a temperatura do local onde está a criança. Utilizar ventiladores, ar condicionado, abrir janelas, fechar aquecimentos e fazer com que as correntes de ar não sejam dirigidas directamente para o corpo da criança.
 

- Tirar a roupa, de modo a libertar o calor, e tornar a criança mais confortável.
 

- Banhos tépidos (10-15, no máximo). A temperatura da água deverá estar 2-3 graus mais baixa do que a temperatura da criança.
 

- Dar líquidos à criança – hidratar.
 

Estas medidas, ainda que limitadas, são muito eficientes.
 

Medicamentos:
 

O mais utilizado é o Paracetamol e o Ibuprofen. Não devem dar-se em conjunto e não se deve nunca ultrapassar as doses indicadas pelo médico assistente.

 

Sinais de alarme

- Febre incontrolável > 40ºC;
 

- Alteração do estado de consciência;
 

- Dificuldade em respirar;
 

- Vómitos;
 

- Gemidos;
 

- Alteração da cor da pele;
 

- “Pintas” no corpo;
 

- Menos de 3 meses de idade;
 

- Mais de 5 dias de febre.
 

Nestes casos, os pais devem recorrer o mais rapidamente possível ao seu médico assistente.

 

NÃO AUTOMEDIQUE O SEU FILHO
 

RECORRA AO SEU MÉDICO ASSISTENTE

Artigo de:

Dr. José Matos - Pediatra - 27-Abr-2009



Partilhar: