Asma na criança

Artigo de:

Dra. Elisa Proença Fernandes - Pediatra - 28-Mai-2001

  |  Partilhar:

Revisto por:

Dr. José Matos - Pediatra - 22-Mai-2009

O que é?

A asma brônquica é uma doença inflamatória crónica das vias aéreas, com um mecanismo de produção complexo. Nas crianças susceptíveis, esta inflamação contribui para um aumento da reactividade dos brônquios com consequente obstrução das vias aéreas, aperto torácico e limitação do fluxo aéreo, provocando episódios de pieira (chiadeira), dificuldade respiratória e tosse com predomínio nocturno ou ao início da manhã. A prevalência na população infantil é de cerca de 15%. No entanto, as doenças alérgicas em geral e, em particular, a asma têm vindo a aumentar em número e gravidade nos últimos anos.

 

Factores de risco

Na origem da asma existem factores hereditários e factores desencadeantes. Relativamente aos primeiros, verifica-se o dobro de incidência nas crianças descendentes de famílias com antecedentes alérgicos (rinite, conjuntivite, eczema, alergias alimentares, etc.). Os factores desencadeantes das crises podem ser variados, nomeadamente os alergénios (como os procedentes de ácaros do pó, pólenes, fungos e pêlo dos animais), os agentes irritantes (como o fumo do tabaco e da lareira e os sprays), as infecções respiratórias (virais), o exercício físico, as emoções fortes, as substâncias químicas irritantes e alguns fármacos, como a aspirina.

 

Sinais e sintomas

Clinicamente exprime-se por episódios de dispneia (falta de ar), de pieira (chiadeira) com dificuldade respiratória, tosse e aperto torácico. É importante, no entanto, pensar que nem tudo o que pia é asma, sendo, por isso, necessário excluir outras doenças que causam dificuldade respiratória.

 

Diagnóstico

A asma pode ser diagnosticada com base nos sintomas e na história clínica. Para além da clínica, existem exames auxiliares no diagnóstico da asma, que compreendem a radiografia pulmonar, os chamados “marcadores de alergia” (Ig E total e específicas e testes cutâneos) e o estudo funcional respiratório. A asma pode ser diagnosticada em qualquer idade, embora em lactentes e crianças mais jovens o diagnóstico possa ser inconclusivo durante algum tempo, devido a uma maior frequência de quadros de obstrução brônquica semelhantes à asma. Actualmente, a asma é classificada, em termos de gravidade, como Intermitente, Persistente Ligeira, Persistente Moderada ou Persistente Grave, atendendo aos sintomas e à função pulmonar.

 

Tratamento

A prevenção dos sintomas, para além de diminuir a necessidade de recorrer aos serviços de urgência e de internamento, permite que a criança tenha uma actividade diária normal. No tratamento da asma a longo prazo a via inalatória deve ser preferida, sendo necessária uma participação activa por parte dos pais ou educadores da criança e uma vigilância regular pelo médico. Esta via tem vários benefícios, como sendo um início de acção mais rápido, permitir dosagens de medicamentos mais baixas e ter menos efeitos secundários. A imunoterapia (vacinação) por via oral ou através de injecção subcutânea é um processo lento de imunização que consiste na administração de doses crescentes do alergénio ao qual o indivíduo é sensível, induzindo o chamado “estado de tolerância clínica” face ao alergénio administrado. Este tratamento deve ser sempre realizado sob vigilância médica e habitualmente mantém-se por 3 a 5 anos.

 

Que conselhos daria aos pais de uma criança asmática?

É assim importante lembrar que o tratamento farmacológico é apenas uma parte do tratamento da asma e que é importante evitar factores desencadeantes como tabagismo, poluição atmosférica, infecções respiratórias assim como evitar alergénios como ácaros, pelos e penas de animais domésticos, pólens e determinados alimentos. Não esquecer que a educação do doente asmático envolve sempre a família e que se deve tentar conseguir a melhor qualidade de vida para a criança.

 

NÃO AUTOMEDIQUE O SEU FILHO
 

RECORRA AO SEU MÉDICO ASSISTENTE
 

 

Artigo de:

Dra. Elisa Proença Fernandes - Pediatra - 28-Mai-2001

Revisto por:

Dr. José Matos - Pediatra - 22-Mai-2009



Partilhar: