Acidentes na criança: prevenção de acidentes na criança

Artigo de:

Dra. Elisa Proença Fernandes - Pediatra - 11-Out-2000

  |  Partilhar:

Durante os primeiros 3 anos de vida, a criança tem um sentido de perigo e de auto-preservação muito reduzido, dependendo a sua segurança totalmente dos adultos. Infelizmente, assistimos a números assustadores de crianças com incapacidades permanentes resultantes de acidentes e estes continuam a constituir a principal causa de morte na criança após o ano de idade.

 

Estima-se que entre os 1 e 14 anos os acidentes representem cerca de 40% das causas de morte, sendo este valor ainda mais elevado no grupo etário dos 15 aos 24 anos. A prevenção de acidentes deve ser parte integrante da consulta de pediatria, alertando os pais para os possíveis perigos. Esta prevenção deve incidir sobre os vários tipos de acidentes, destacando os mais frequentes: quedas, acidentes de viação, intoxicações, inalação ou ingestão de corpos estranhos, queimaduras, afogamentos e lesões por armas de fogo.

 

Relembram-se em seguida alguns cuidados a ter para evitar acidentes: Prevenção de quedas/ traumatismos cranianos: Nunca deixar uma criança, de qualquer idade, sozinha num local elevado; evitar cadeiras junto a janelas e ter varandas seguras; não utilizar voadores; utilizar cancelas nas escadas; evitar beliches antes dos 6 anos; ensinar a criança a atravessar correctamente a estrada aos 5, 6 anos; ensinar a andar de bicicleta pelos 7, 8 anos e com capacete

 

Acidentes de viação: A criança deve viajar sempre no banco de trás do automóvel e em cadeiras apropriadas, para além de todos os cuidados gerais relativos à condução Intoxicações: Ter sempre os medicamentos bem guardados; os produtos de uso domésticos e os pesticidas devem manter-se nos recipientes originais e longe do alcance das crianças; ter o número do Centro de intoxicações (21 7950143). Inalação de corpos estranhos/ engasgamento: Não dar à criança alimentos como amendoins, tremoços, nozes, frutos com caroços, rebuçados, etc, ou objectos que possam ser aspirados para os pulmões, até que ela saiba mastigar ou eliminá-los correctamente (habitualmente pelos 4 anos).

 

Queimaduras: Não beber bebidas quentes enquanto segura num bébé; cozinhar com as pegas dos tachos rodadas para dentro; muito cuidado com lareiras, braseiras e qualquer tipo de fonte de calor; na preparação do banho deitar primeiro a água fria e depois a quente; proteger todas as fichas de electricidade. Afogamentos: As crianças com maior risco de afogamento são aquelas entre os 1 e 3 anos; nunca deixar uma criança que não saiba nadar próximo de locais com água, como piscinas, banheiras ou junto ao mar; manter protegidos todos e quaisquer poços, charcos ou outros junto à habitação; ensinar a criança a nadar (idealmente entre 3 e 8 anos) Lesões por armas de fogo: Nos últimos anos, o número de casos de lesões por armas de fogo tem vindo a aumentar, especialmente entre os adolescentes, tanto não intencionais como por homicídio ou suicídio, devendo ser tomadas medidas de precaução também nesta área.

Artigo de:

Dra. Elisa Proença Fernandes - Pediatra - 11-Out-2000



Partilhar: