Peso ideal: Homens e mulheres vêem-se ao espelho de modo diferente
04 abril 2011
  |  Partilhar:

No mundo da moda, na publicidade, no cinema ou na música, o modelo de beleza feminina é o da mulher magra, alta e elegante. Um modelo que condiciona e distorce a imagem que as mulheres têm delas próprias. No caso dos homens, os estereótipos parecem não afectar tanto a sua auto-imagem.

 

Num estudo recente, realizado no Reino Unido, para o qual foram entrevistadas milhares de pessoas, concluiu-se que entre as mulheres com um peso ideal para a sua altura, apenas 13% disseram sentir-se felizes quando se viam ao espelho e apenas 6% pensavam ser magras.

 

Preocupante foi também o facto de, apesar de terem um peso saudável, 17% dessas mulheres se descreveram como “gordas”, sendo que a mesma percentagem disse sentir-se “em baixo” quando viam o seu reflexo ao espelho. Ao invés das mulheres, no caso dos homens, apenas 6% dos que tinham um índice de massa corporal (IMC) saudável se descreveram como “gordo”.

 

Neste estudo, liderado por Sandra Wheatley, psicóloga social, autora de vários livros sobre a temática, os voluntários – homens e mulheres – foram convidados a olharem-se ao espelho e a escolherem, de 12 adjectivos, um que descrevesse o que sentiam. Paralelamente, todos os indivíduos foram pesados e medidos para se determinar se estavam ou não no peso ideal.   

 

De facto, homens e mulheres têm visões muito diferentes em relação ao seu peso ideal. Um estudo anterior, realizado por investigadores da Universidade Brock, em St. Catharines, Ontário, no Canadá, chegou a resultados semelhantes do estudo britânico, ao concluírem que as percepções sobre o peso corporal ideal e os níveis de felicidade diferiam entre homens e mulheres.

 

Nesta análise foram convocados 813 adultos, com idades entre 19 e 39 anos. Verificaram que 31% das mulheres com peso normal consideravam-se acima do peso, em comparação, apenas 5% dos homens tinham a mesma percepção. Por outro lado, 25% dos homens com peso normal acreditavam que estavam abaixo do peso, na mesma situação, apenas 5% das mulheres pensava o mesmo. Além disso, cerca de metade dos homens acima do peso achava que tinha peso normal, comparados a apenas 4% das mulheres acima do peso.

 

Mas as diferenças não se ficaram por aqui. Tal como no estudo britânico, também no estudo canadiano, os participantes foram medidos e pesados – para aferir o IMC - submetidos a um questionário sobre a sua percepção em relação ao peso, assim como à imagem do seu poder de atracção, satisfação e saúde em geral.

 

Em comparação às mulheres, os homens acima do peso eram mais propensos a considerar-se atraentes. Já as mulheres abaixo do peso sentiam-se mais atraentes e saudáveis comparadas à visão dos homens abaixo do peso.

 

Em ambos os estudos, os investigadores acreditavam que as influências sociais, com importante relevo para os modelos difundidos pelos meios de comunicação, formarem (ou, neste caso, deformarem) as percepções do peso corporal. No caso das mulheres, a auto-confiança e o peso estão intimamente ligados, dado que para o sexo feminino, o julgamento social dá relevância à aparência, e, aos olhos do mundo mediático, a mulher magra, esbelta e elegante é sinónimo de sucesso, quer seja pessoal, profissional ou social.   

 

As motivações que levam os dois sexos a querer emagrecer são, segundo os investigadores, completamente diferentes. Se, para as mulheres, ter menos peso (mesmo estando dentro do IMC normal e saudável) tem por objectivo a aprovação dos outros, os homens que estão acima do peso ideal tendem a fazer dietas devido a preocupações com a saúde, ou ser activo o suficiente para poderem brincar com os filhos ou com os netos.

 

Apesar de se verem de modos tão diferentes a realidade, os investigadores avisam que as percepções equivocadas do peso podem ser prejudiciais tanto para os homens quanto para as mulheres. Se, por um lado, as mulheres com peso normal que se vêem "gordas" podem enveredar por caminhos perigosos de dietas desenfreadas, desembocando em perturbações alimentares como anorexia; por outro lado, os homens acima do peso que se consideram magros podem não perceber a necessidade de emagrecer por motivos de saúde, ou vendo-se magros demais podem incorrer em riscos ao tomarem esteróides anabolizantes com o intuito de apresentarem uma imagem de ‘homem forte’.

 

Paula Pedro Martins
Jornalista

 

Partilhar:
Classificações: 6Média: 4.7
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.