O lado positivo da depressão
03 setembro 2009
  |  Partilhar:

Cientistas norte-americanos reuniram provas de que a depressão parece ser menos um problema relacionado com alguma disfunção cerebral e antes um meio de resolver, com urgência, situações complexas de vida.

 

“A depressão é um modo que a natureza tem para nos dizer que temos problemas sociais complexos e que a mente tem intenção de os resolver”. É desta forma que os investigadores Paul Andrews e J. Anderson Thomson concluem a explicação do seu trabalho científico, publicado na revista “Scientific American”.

 

O estudo, que também foi recentemente publicado no “Psychological Review” sob o título “The bright side of being blue: Depression as an adaptation for analyzing complex problems”, revela que a depressão não traz só desvantagens, ela traz igualmente benefícios proveitosos para a evolução da espécie.

 

Os investigadores acreditam que a depressão – que estimam que atinja em qualquer momento da vida entre 30 a 50% da população em todo o mundo – tem evoluído com o homem porque ela é mesmo necessária. “Se o cérebro desempenha um papel crucial na promoção da sobrevivência e da reprodução da espécie, à medida que evoluímos o cérebro deveria ter ficado resistente a estas disfunções. E sendo os distúrbios mentais, geralmente, raros, por que não o é a depressão?”

 

Dizem os cientistas que, quando estamos deprimidos, temos dificuldade em pensar em algo que não sejam os nossos problemas, ficamos mais analíticos, tudo, por mais simples que seja, é dissecado até ao mais ínfimo pormenor. "E esse estilo de pensamento analítico pode ser bastante produtivo".

 

Paul Andrews e J. Anderson Thomson dizem ter constatado em múltiplas experiências que as pessoas deprimidas obtêm melhores notas nos testes de resolução de problemas complexos. Também resolvem mais facilmente dilemas sociais. Isto porque, ao dissecarem tudo ao pormenor, fazem uma melhor análise dos custos e benefícios das diferentes opções que podem tomar.

 

É verdade que as “pessoas depressivas têm problemas na realização de actividades diárias: não conseguem estar concentrados no trabalho, tendem a isolar-se, são letárgicas, e muitas vezes perdem a capacidade de sentir prazer nas actividades quotidianas, como comer e fazer sexo", podendo “algumas mergulhar numa grave e prolongada depressão que põe a sua vida em risco”.

 

Segundo os dois especialistas, estas manifestações físicas, que ocorrem durante o processo analítico ininterrupto da depressão, são simplesmente o modo de o corpo nos dizer para nos focarmos na solução do nosso problema.

 

E como é que tudo isto acontece no cérebro? Segundo os cientistas, o processo ocorre numa região conhecida por pré-frontal ventro-lateral, onde, com o intuito de “forçar” o indivíduo a resolver os seus problemas, os neurónios disparam continuamente, podendo acontecer rupturas neuronais.

 

Estudos realizados com ratinhos mostraram que o receptor 5HT1A – molécula importante na regulação do humor – está envolvido no fornecimento de energia aos neurónios, bem como no processo de impedir a ruptura neuronal.

 

Na prática, o que acontece é que, durante o processo depressivo, quando ocorrem os pensamentos ruminativos, é necessária uma maior actividade neuronal e o receptor 5HT1A colmata essa necessidade. Este facto mostra, segundo os cientistas, a importância deste receptor no processo evolutivo humano.

 

“Quando se consideram todas as provas, a depressão parece menos um distúrbio em que o cérebro está a funcionar mal. Em vez disso, parece-se mais com o olho dos vertebrados, uma intrincada e bem organizada peça de uma máquina que realiza uma função específica.”

 

Por isso, os cientistas sugerem que os psicoterapeutas devem encorajar as ruminações depressivas, em vez de tentar pará-las, ajudando as pessoas a resolver os problemas que desencadeiam as suas crises de depressão.

 

Paula Pedro Martins
jornalista

Partilhar:
Classificações: 27Média: 4.1
Comentários 1 Comentar

Depressao

E interessante ,ate por que intuitivamente nos apercebemos disso. O ser humano é muito relacional e na vida assumimos diferentes identidades de acordo com as relaçoes e compromissos que temos.Daí a maior necessidade do ser humano é Deus(ser amado, reconhecido em toda a sua complexidadee na identidade que criou ou pretende criar, como pessoa) , no sentido de criador múltiplo e dando um sentido criador a essa relaçâo
Estes estados relacionais levam -me a crer que as relaçoes so dao certo quando
existem projectos, e amizades que superam o proprio casal e o fazem crescer na sua plenitude. ( Uma Teoria)

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.