Época das festas pode propiciar acidentes com crianças
22 dezembro 2010
  |  Partilhar:

A época das festas natalícias é típica pelas luzes e decorações por toda a casa e pelos convívios familiares com muita gente e muita correria. Quer pelos novos objectos que proliferam em casa, tais como os enfeites da árvore de Natal, quer porque os adultos estão numa azáfama com os preparativos festivos, as crianças podem ficar mais expostas a perigos.

 

Cortes, queimaduras, quedas, asfixia ou intoxicações podem ocorrer com as crianças neste ambiente festivo. Por isso, todo o cuidado é pouco para viver a época das festas em família com total segurança.

 

São poucos os estudos que analisam os acidentes com crianças, especificamente, na época do Natal. Mas, um trabalho realizado pelo Children's Hospital Boston’s Division of Emergency Medicine, EUA, teve em conta essa análise em particular.

 

A importância desta análise prende-se com o facto de a maioria das lesões que ocorrem com as crianças poderem ser evitadas, com um reforço da atenção dada pelos pais e cuidadores. Além de evitáveis, as ingestões acidentais, por exemplo, exigem a realização de exames de diagnóstico com raio-X e tomografia computadorizada, que, sabe-se actualmente, devem ser evitados em crianças devido aos perigos da exposição à radiação.

 

Nesta investigação, os autores do estudo fizeram uma busca nos registos informáticos do serviço de urgência daquele hospital, entre Outubro de 1995 e Março de 2008, na qual procuraram palavras-chave como "Natal", "decorações" e "vidro". Posteriormente, analisaram todos os registos clínicos um a um.

 

Verificaram que, de um total de 76 casos onde estavam presentes aquelas palavras-chave, 56% das situações envolviam a ingestão de fragmentos de ornamentos ou de lâmpadas, mais de um quarto dessas lesões resultou em ferimentos na boca ou hemorragias gastrointestinais. E se em 27% dos casos ocorreram ferimentos, mais de dois terços dessas situações teve necessidade de intervenção cirúrgica e 85% dos casos necessitaram de exame radiológico. Do total de crianças assistidas nas urgências, três pacientes foram ainda examinados por exposição a uma potencial toxina, dois sofreram electrocussões menores e só um caso de ingestão de decorações festivas não envolveu um ornamento de vidro.

 

A consistente taxa de acidentes e lesões que ocorreu durante os anos analisados neste estudo motivou os investigadores a recomendarem aos profissionais de saúde para alertarem os pais sobre o uso das decorações de Natal e os perigos que podem ser evitados. "Se há crianças em casa, mantenha-os longe da árvore de Natal, ou pelo menos retirem as decorações dos ramos mais baixos, onde as crianças as podem alcançar", recomendam os investigadores num artigo publicado na revista “Pediatric Emergency Care”.

 

"Os pais têm de estar atentos durante as festas, mesmo que seja uma época do ano muito atarefada", alertou o co-autor da investigação, Lois Lee, médico da Childrens Division of Emergency Medicine que também dirige o programa do departamento de prevenção de lesões do mesmo hospital. "Se sabe que o seu filho tem tendência de levar coisas à boca, deve ter um cuidado especial", recomenda ainda o mesmo especialista.

 

Dentro do mesmo capítulo de segurança infantil, a escolha de uma prenda para oferecer às crianças deve ter em conta mais factores do que o facto de ser o brinquedo há muito pedido ao pai Natal. É que o brinquedo errado pode provocar lesões graves, envenenamento ou até a morte. É por isso, que a Associação para a Defesa do Consumidor não se cansa de alertar nesta época do ano para que, ao comprar brinquedos, tenhamos em conta, desde logo, a idade da criança. “Procure oferecer algo que seja pedagógico e educativo. Leia com atenção todas as informações. Tenha especial cuidado na escolha de brinquedos destinados a crianças com menos de três anos. Verifique atentamente se existem arestas cortantes ou pontiagudas, peças destacáveis ou materiais facilmente inflamáveis”, lê-se num comunicado de imprensa no sítio da DECO na internet.

 

Por isso, quando escolher presentes para esta faixa etária deve ter em consideração se o brinquedo tem elementos, nomeadamente peças pequenas que possam ser desmontadas e engolidas pelas crianças, ou componentes de aquecimento que possam causar queimaduras. É que, tal como diz o investigador Lois Lee, nestas idades, é normal que as crianças levem os objectos à boca. Já para os mais crescidos, que pedem bicicletas, skates ou patins, convém, já agora, não esquecer os equipamentos de segurança como capacete, joalheiras, cotoveleiras, luvas e buzinas.

 

Outro assunto que devemos ter em conta é o da segurança rodoviária, uma vez que, nesta época do ano, aumenta o tráfego automóvel um pouco por todo o país. Dados recentemente divulgados pela APSI revelam que, em média, todos os dias em Portugal 14 crianças são vítimas de um acidente rodoviário. Números trágicos que podem ser evitados com o cumprimento das regras de segurança rodoviária.

 


Paula Pedro Martins
Jornalista

 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.