Conhecer o seu genoma custa o preço de um carro de luxo
13 agosto 2009
  |  Partilhar:

Conhecer o nosso património genético para poder prevenir futuras doenças, está mais perto da bolsa comum. Uma nova técnica desenvolvida por cientistas norte-americanos fez baixar o preço do exame. Por 50 mil dólares pode conhecer o seu genoma.

 

No Verão de 2000, a empresa Celera Genomics anunciou, pela primeira vez na história da humanidade, a sequenciação de 90% do genoma humano. A notícia encheu páginas e títulos da imprensa mundial. A liderar a empresa estava o cientista Craig Venter, que no início da década de 90 começou a sua odisseia na sequenciação do genoma humano.

 

Venter integrou a equipa estatal norte-americana denominada Projecto Genoma Humano (PGH), mas anos mais tarde, abandonou o projecto para criar a sua própria empresa.

 

Em 2003, quando Venter anunciou a descodificação completa do genoma, um episódio criou celeuma na comunidade científica: afinal, o material genético que deveria ter sido recolhido de dadores anónimos veio, em grande parte, do próprio director da Celera Genomics. Em entrevista ao jornal norte-americano “New York Times”, Venter disse, sem pejo, ter utilizado o seu próprio material genético em parte das investigações e lançou uma pergunta ao jornalista: «Quem não quer conhecer o próprio genoma?»

 

Pois… na verdade, muitos de nós gostaríamos de conhecer o que o nosso genoma nos reserva, em especial que patologias somos mais atreitos a desenvolver e que fármacos surtem mais efeito no nosso organismo. Mas o grande entrave reside, até ao momento, nos preços que são praticados pelas empresas que sequenciam o genoma - e não apenas a parte do nosso ADN, o que já é feito por várias empresas norte-americanas, a prestar serviços através da internet, a preços mais acessíveis (rondam os 500 euros).

 

A primeira sequenciação do genoma custou quase três milhões de dólares e demorou uma década. No ano passado, quem quisesse conhecer o seu património genético total pagaria 250 milhões de dólares, mas teria de esperar vários meses pelos resultados.

 

Por isso, a notícia difundida esta semana de que os investigadores da da Stanford University, nos EUA, desenvolveram uma nova técnica de sequenciação do genoma individual que vai baixar o preço deste tipo de testes, trouxe grande esperança a quem não conseguia orçar com este tipo de despesa.

 

No comunicado de imprensa publicado no sítio da Stanford University, lê-se que: "uma tarefa (descodificação do genoma) que antes custava tanto quanto um Boeing 747 e que precisava de uma equipa de pessoas que enchessem o avião, agora não custa mais que o preço médio de um carro de luxo e não requer mais de duas pessoas".

 

O que faz reduzir os custos deste exame é a técnica usada, que se baseia na sequenciação de uma única cadeia de molécula de ADN, contrariamente ao que era utilizado nos métodos mais antigos em que eram necessárias milhares de cópias de ADN por pessoa ou organismo vivo.

 

Contudo, não se perde qualidade com esta nova técnica, dado que, garantem os cientistas, o genoma resultante da análise corresponde a 95% do seu total, um número semelhante ao obtido através dos métodos mais dispendiosos.

 

Por enquanto, conhecer as nossas predisposições genéticas para determinadas doenças ou saber que patologias poderemos passar aos nossos filhos (factores mais aliciantes resultantes do conhecimento do nosso próprio genoma) ainda está longe da maioria das bolsas. O valor cobrado ronda os 50 mil dólares (cerca de 36 mil euros).

 

Contudo, a sociedade Pacific Biosciences já fez saber que prevê, já para 2013, ser capaz de sequenciar o genoma individual em 15 minutos com um custo médio de mil dólares. Por estes indicadores, não será descabido pensar que dentro de uma década poderemos conhecer o nosso património genético a um preço semelhante ao praticado por um teste de sangue ou de urina.

 

Paula Pedro Martins
jornalista

Partilhar:
Classificações: 4Média: 5
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.