Os prémios, a COTEC, o Presidente e a inovação

A COTEC está a ser decisiva na inovação em Portugal. E Cavaco Silva, com a pedagogia dos seus discursos, também.

27 julho 2010
  |  Partilhar:

O 4º Encontro Nacional Inovação COTEC mostrou o papel decisivo que a organização está a ter na promoção, estímulo e apoio às empresas inovadoras.

24 novas empresas aderiram agora à rede de PME Inovadoras COTEC, elevando para 54 o número das que a integram. Empregam mais de 3700 pessoas, o seu volume de negócios ultrapassa os 280 milhões de euros, dos quais 50% correspondem a exportações, e o esforço em I&D situa-se em 20% do volume de negócios, muito acima da média nacional.

Mas se a primeira ambição é integrar a Rede, a segunda é vencer o Prémio COTEC-BPI. Este ano houve dois vencedores "ex-aequo": a Alert Life Sciences Computing e a Frulact - Ingredientes para a Indústria de Lacticínios. O primeiro caso é extraordinário. Jorge Guimarães, 40 anos, presidente do conselho de administração, recebeu em 1998 o Grande Prémio Bial de Medicina, pela investigação da clonagens de genes e o seu acompanhamento bioinformático. Decide aplicar os 75 mil euros recebidos na constituição da Médicos na Internet, especializada em fornecer serviços de saúde via Intranet. Evolui daí para o desenvolvimento de software clínico e nasce a Alert, empresa que conta com mais de 300 trabalhadores, factura mais de 12 milhões de euros, expandiu-se para Espanha, Itália, Suiça, Holanda, e Estados Unidos e conta com mais de 31 mil utilizadores, tendo a sua tecnologia sido adoptada por 500 instituições de saúde. E esta tecnologia de ponta desenvolvida por portugueses em Portugal em sete anos deve ser mesmo boa, porque Jorge Guimarães não hesita em afirmar que "somos hoje considerados a Apple do «healthcare»".

Para além do papel decisivo que o presidente da COTEC, Artur Santos Silva, e o director-geral, Rui Guimarães, têm tido na dinamização da inovação, é também justíssimo sublinhar a forma pedagógica como o Presidente da Républica tem abordado este tema. Na sua intervenção, Cavaco Silva voltou a apelar aos jovens para que, ao pensarem na sua carreira profissional, não desistam de Portugal.

Em segundo, disse ter decidido apoiar a Associação Aprender a Empreender, patrocinando o programa 'A Empresa', destinado a alunos do secundário e que os visa estimular a adquirirem conhecimentos sobre actividades empresariais e a desenvolverem projectos específicos.

Referiu-se depois à dificuldade dos jovens empresários em encontrarem investidores disponíveis para apostar no risco dos novos projectos. Convidou os empresários a abrirem as portas das suas empresas aos jovens empreendedores e investigadores e a partilharem as experiências de internacionalização. E lembrou que há um ano lançou a ideia de um Conselho para a Globalização, que terá em Setembro um segundo encontro.

São passos coerentes de um Presidente da Républica empenhado na melhoria e modernização da economia do país. E esta é uma mensagem que passa e acaba por dar frutos.

19 Maio 2007
Partilhar:
Comentários 0 Comentar