Estudo publicado na revista “Journal of Molecular Diagnostics”

Uma nova análise ao sangue desenvolvida por uma equipa de investigadores poderá transformar a forma como o cancro é monitorizado e tratado.
 
A tecnologia que deteta mutações genéticas em minúsculas quantidades de ADN, libertado pelas células cancerígenas no sangue, foi criada por uma equipa da Universidade de Stanford, EUA.
 

Estudo apresentado no Congresso Envelhecimento Cardiovascular: Novas Fronteiras e Velhos Amigos, Westminster, EUA

Estudo publicado na “Journal of Nutrition”

Aviso da Associação Portuguesa do Cancro Cutâneo

Estudo do Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto