Urânio empobrecido no Kosovo e na Bósnia

Comente esta notícia.

RE: Urânio empobrecido no Kosovo e na Bósnia

Muito se tem falado do problema do Sìndroma da Bósnia e Kosovo e do Urânio empobrecido. Estas conclusões deixam-nos um pouco perplexos. Penso que há que explicar, de uma vez por todas o que se está a passar. Se não é do urânio empobrecido então a que se deve os casos de cancro que proliferam entre as tropas que estiveram estacionadas naquelas áreas? De certeza que já existem estudos e conclusões sobre este tema, que também preocupou as tropas americanas durante e após a guerra do Golfo. Como se pode admitir que os mesmos erros continuem a ser cometidos e que vidas humanas sejam sacrificadas estupidamente, por causa, talvez, de um segredo militar que convém guardar?

RE: Urânio empobrecido no Kosovo e na Bósnia

Obrigado pela sua participação neste fórum.
Em primeiro lugar à cerca deste “síndroma” temos um excelente artigo na Revista MNI, aconselho vivamente a sua leitura.
Em segundo lugar embora possa em parte concordar consigo, é necessário confirmar que a incidência de leucemias está realmente aumentada. Depois consigo imaginar outras causas para uma maior incidência desta doença (já que o urânio empobrecido como causa é impensável, há a hipótese do plutónio como explico no artigo da revista). É sabido que determinados vírus podem induzir leucemias, já pensou se uma determinada “vacina” (de uma determinada marca/lote) dada aos soldados aumentasse a probabilidade de desenvolverem leucemias? Remota, mas possível...