Notícias

Drogas com cocaina podem causar hemorragias cerebrais em jovens

O uso de estupefaciantes- cocaina e anfetaminas em particular- parecer aumentar o risco de acidentes vasculares cerebrais, nomeadamente hemorragias, em jovens com uma fragilidade vascular subjacente- um aneurisma (dilatação numa artéria).

mais http://www.reutershealth.com/
12 Maio 2000 (Reuters Health News)

Notícias- Heroina e antrax

Cientistas suspeitam que a bactéria que causa o antrax poderá estar a matar heroinomanos

O antrax poderá ser o responsável pela morte de 11 toxicomanos na Europa e
poderá ter infectado muitas mais, considera a revista New Scientist.

O foco da investigação numa possível ligação ao antrax aconteceu depois de
um profissional de saúde ter utilizado a internet para anunciar um caso
clínico de um toxicomano que morreu em Oslo em Abril.

Testes confirmaram a presença de ADN de antrax no líquido cefaloraquidiano
desse doente.

O antrax é endemico no Irão, Afeganistão e Paquistão, principais
exportadores da heroina consumida na Europa.

A contaminação da heroina poderá ter resultado de gelatina ou carne do
osso misturada com a heroina proveniente daqueles países.

Mais http://www.cnn.com/2000/HEALTH/05/17/britain.anthrax.reut/index.html

Descriminalização do consumo

31 de Maio

Menéres Pimentel defende descriminalização do consumo de drogas

O Provedor de Justiça defende a descriminalização do consumo
privado de drogas em Portugal, tanto das drogas leves como das
duras, o que, no entanto, não significa uma diminuição da penalização
e do combate ao tráfico.
Menéres Pimentel considera que a descriminalização das drogas
poderá ajudar na luta contra o problema da toxicodependência e do
tráfico de droga, um flagelo que apesar das várias tentativas feitas
nesse sentido, continua por resolver.
O Provedor de Justiça, que está prestes a deixar o cargo,
apresentou hoje o relatório de actividades de 1999 e fez uma
retrospectiva da actividade que desenvolveu nos últimos 8 anos.

Pequena criminalidade e droga

31 de Maio

Pequena criminalidade só diminuirá com resolução do consumo de drogas

O ministro da Administração Interna considerou hoje, no Porto,
que a pequena criminalidade existente em Portugal só diminuirá quando
se conseguir atalhar o problema do consumo de drogas.
Segundo Fernando Gomes, os pequenos crimes, como esticão ou
devassa das habitações, resolvem-se com a polícia de proximidade.
Afirmando ser a favor da despenalização das drogas leves,
Fernando Gomes acredita que só dialogando sem traumas é que se
conseguirá encontrar um caminho para a diminuição do consumo das
drogas.

Governo descriminaliza consumo

1 de Junho

Governo descriminaliza consumo de drogas

O Governo aprovou hoje uma proposta de lei que descriminaliza
o consumo, a posse para consumo e a aquisição para consumo de
drogas.
O diploma, que vai ser enviado ao Parlamento, mantém a
proibição do consumo, mas remete a respectiva penalização para o
âmbito da mera ordenação social, ou seja, punível com coima e não
com prisão ou multa.
As sanções previstas deverão ser diferenciadas, nomeadamente,
de acordo com o tipo de substância consumida, com o tipo de
consumo e também com a condição económica do agente ou do
consumidor, distinguindo o toxicodependente do consumidor
habitual ou ocasional.
A coima terá um limite mínimo de cinco contos, variando
conforme o tipo de drogas consumidas, mas deve ir além do salário
mínimo nacional.

Mais: http://www.lusa.pt

Programa "Vida-Emprego"

4 Junho 2000

Governo relança programa de reabilitação Vida-Emprego

O Governo vai investir um milhão de contos por ano no
programa de reabilitação de toxicodependentes Vida-Emprego,
anunciou hoje o Secretário de Estado da Presidência do Conselho de
Ministros, Vitalino Canas, no Porto.
O programa Vida-Emprego, segundo Vitalino Canas, permite
que as pessoas que terminaram o seu tratamento possam reabilitar-
se, entrando numa nova fase da sua vida, nomeadamente a
trabalhar.
O Secretário de Estado, que falava esta tarde na VI Cerimónia
de Graduação da Clínica do Outeiro, uma instituição de tratamento
da toxicodependência, fez questão de salientar que os
toxicodependentes são doentes e não criminosos, devendo ser
encaminhados para clínicas de recuperação e não para cadeias.

Legalização de arrumadores

14 de Junho, 2000

Câmara de Leiria propõe legalização de arrumadores de automóveis

A Câmara de Leiria aprovou hoje, por unanimidade, a
proposta de legalização de oito arrumadores de automóveis para
cinco parques de estacionamento da cidade, cabendo agora ao
Governo Civil, em coordenação com a PSP local, a selecção destes
elementos.
Esta iniciativa pouco comum surge na sequência de uma
proposta do Conselho Municipal de Segurança.
Segundo a autarquia, trata-se de um projecto-piloto, pelo
que será necessário avaliar os seus resultados antes de se avançar
com o alargamento do número de arrumadores nos parques de Leiria.
A Câmara revelou ainda que pretende apresentar uma
candidatura ao III Quadro Comunitário de Apoio para criar uma
empresa de reinserção e de acompanhamento que reconduza os
arrumadores à vida profissional activa.

Fonte: http://www.lusa.pt

PSD contra descriminalização

17 Junho, 2000

PSD contra descriminalização da droga

O PSD vai votar contra o projecto-lei do Governo que visa
substituir as penas de prisão por curas de desintoxicação no caso de
crimes praticados por toxicodependentes.
A garantia foi avançada hoje, em Boliqueime, pelo líder social-
democrata, Durão Barroso, que defendeu que a aplicação do projecto-
lei levará ao aumento do consumo de droga e do próprio crime.
No seu discurso, Barroso aproveitou para lançar uma questão
«como pode o Governo sustentar que um drogado que cometa crimes não
vá para a cadeia, e uma pessoa que comete um roubo na sua vida vá
imediatamente para lá?»

Fonte: http://www.lusa.pt

Famílias em pânico

Famílias em pânico por causa da droga são abandonadas pelo Estado

Há famílias em pânico desde ontem, porque sentem que o Estado as está a abandonar ao admitir a despenalização da droga, afirmou hoje no Porto o presidente da Juventude Popular.

João Almeida afirmou que a Juventude Popular é, desde o debate parlamentar de ontem, a única juventude partidária que não defende uma inversão do sentido na política de combate à toxicodependência.

O dirigente da JP apelou aos militantes da JSD que estão contra a posição da direcção social-democrata para que não desistam do combate, não se rendam e não prefiram o silêncio carreirista a serem uma voz da razão que rema contra a maré.

O líder da juventude do PP criticou também as posições públicas sobre a matéria do Presidente da República, acusando Jorge Sampaio de fazer campanha pela despenalização.

Fonte: lusa.pt

369 mortes no ano passado

Consumo de droga provocou 369 mortes no ano passado

O consumo de droga provocou a morte a 369 pessoas no ano
passado, o número mais alto registado em Portugal desde 1991 e que
corresponde a um aumento de cerca de 10 por cento relativamente a
1998 (337).
Estes dados constam de um relatório do Instituto Português
da Droga e da Toxicodependência (IPDT) hoje divulgado em Lisboa,
que revela uma tendência de crescimento do número de mortes
relacionadas com o consumo de drogas desde 1995.
Entre 1998 e 1999 registou-se, no entanto, uma
desaceleração relacionada com o incremento das políticas de
redução de riscos, entre elas os programas de troca de seringas e
os tratamentos de substituição, bem como das campanhas de
prevenção.
As mortes foram registadas em apenas três distritos:
Lisboa (214), Porto (115) e Coimbra (40).

Fonte: lusa.pt

Aprovada a descriminalização

Aprovada a descriminalização do consumo de drogas

O texto final da Comissão dos Assuntos Constitucionais,
Direitos, Liberdades e Garantias sobre a descriminalização do consumo
de drogas foi aprovado ontem na Assembleia da República, em votação
final global.
Com os votos favoráveis do PS, PCP, PEV e BE e os votos contra
do PSD e CDS/PP, a nova lei é baseada na proposta do Governo e no
projecto do PCP sobre a matéria.
Os projectos de lei do Bloco de Esquerda e dos deputados da
Juventude Social Democrata, que previam a despenalização do consumo de
drogas, foram rejeitados na votação na generalidade.

Fonte: lusa.pt

Página 1 de 3