Notícias

Notícias disponíveis para comentar na área dos distúrbios sexuais:

Gene responsável pela inversão sexual

23 de Março, 2001

Cientistas norte-americanos da Washington University Medical School, em St. Louis, Missouri, descobriram inesperadamente que ratos geneticamente machos (que tinham o cromossoma Y) desenvolveram genitais femininos (inversão sexual) quando tinham um determinado gene desactivado.

O mesmo gene pode explicar certos casos de inversão sexual em humanos. Este fenómeno ocorre em 1 pessoa por cada 20.000, mas só 10% dos casos foram identificados como tendo causas genéticas específicas. Os autores deste novo estudo esperam que esta nova descoberta possa explicar pelo menos parte dos outros 90% dos casos. Para isso os investigadores sugerem um “screening” ao ADN dessas pessoas para verificar se esse gene, ou outros genes que o activam, estão ausentes.

O gene envolvido nesta investigação denomina-se Fgf9 e é responsável pela produção do factor de crescimento fibroblástico 9. Este gene estava já descrito anteriormente como relacionado com o desenvolvimento pulmonar.

Os cientistas, querendo estudar o desenvolvimento pulmonar nos ratos, modificaram-nos geneticamente, inactivando o gene Fgf9.

Constataram, sem surpresas, que os ratos não desenvolveram pulmões e nasceram portanto mortos. Como se suspeitava que este gene estaria de alguma forma ligado ao desenvolvimento da próstata, averiguaram o seu desenvolvimento nos ratos. Ficaram surpreendidos quando descobriram que 10 dos 12 “machos” (com cromossoma Y) não tinham próstata e desenvolveram órgãos genitais femininos em vez de masculinos.

Geneticistas britânicos tinham já descoberto um gene em 1990, o SRY, que se pensava ser o principal responsável pela “masculinidade” dos indivíduos. Agora, parece que este novo gene (Fgf9) está também implicado. O Fgf9, segundo os autores, parece ser importante em duas etapas-chave do desenvolvimento genital masculino: acciona a multiplicação das células que vão formar os testículos e coordena a migração destas células para os locais onde os testículos se vão desenvolver.

Na ausência destes dois acontecimentos os testículos não se desenvolvem e os órgãos sexuais femininos desenvolvem-se por defeito.

Adaptado por
Helder Cunha Pereira
MNI - Médicos Na Internet

Fonte: New Scientist

Novo tratamento para a ejaculação precoce

Um pequeno estudo piloto testou a eficácia de um novo método de tratamento para a ejaculação precoce, disfunção que se pensa afectar cerca de 29% dos homens activos sexualmente. Este novo método terapêutico foi desenvolvido por psiquiatras ingleses.

O estudo envolveu apenas seis homens, mas os investigadores planeiam já um estudo mais alargado para confirmar os resultados. Os homens foram consultados durante 45 minutos por um psiquiatra especializado que os aconselhou a usar um anel de látex na base do pénis, não mais do que 30 minutos por dia, mas que deveria ser retirado durante o acto sexual. Foi-lhes também dito para terem relações sexuais três vezes por semana.

A ejaculação precoce é um dos problemas sexuais masculinos mais comuns e está geralmente associada com estados de ansiedade. As principais formas actuais de tratamento envolvem terapia psico-sexual ou a administração de medicamentos que interfiram com o sistema nervoso.

Este anel de borracha foi desenvolvido para aliviar a ansiedade relacionada com o problema e também para ajudar homens que tenham as glândulas especialmente sensíveis.

A maioria dos homens testados notaram melhorias na primeira semana do tratamento e a média da melhoria da performance sexual foi de 240%, um resultado surpreendente, segundo os investigadores.

Helder Cunha Pereira
MNI - Médicos Na Internet

Fonte: Reuters Health

RE: Notícias

Desejava um conselho:Ainda sou virgem e o periodo tem me vindo normalmente, mas o mês passado quando estava com o periodo tomei umas injecões para uma dor no ombro muito forte e receitaram-me Flamergil injetavel.
Não sei se foi por isso ou não mas este mês já vou em 31 dias e o que me veio foi umas manchas acastanhadas.
Não sei o que se passa agrecia informação a este assunto.
Rute Pereira