Não há qualquer dúvida sobre ...

Não tenho qualquer espécie de dúvida, de que os índices de sinistralidade para casos de morte que têm vindo a aumentar, têm a ver, custe o que custar, o que é demonstrável pelas estatísticas. Quando em 1700 acidentes 55% têm a ver com índices de alcool comprovado acima dos 0,2 gr/l, isto diz muita coisa. Quando se circula numa estrada em que cerca de 20% dos condutores não têm a 4ª classe, como se pode ter educação e prudência rodoviária?. Outro facto revelador, tem a ver com a inconsciência de muitos condutores, que defendem \\\ mais velocidade, melhores estradas menos acidentes\\\. Como é possivel? Não estão concerteza interessados nas estatíticas, e nem sequer deveriam conduzir. Revelam para além de tudo uma completa apatia pelo problema que já ceifou muitas vidas e familias. Este é um tema que requer mais seriedade e menos voyerismos e exibicionismo.

Não há qualquer dúvida!!!

RE: Não há qualquer dúvida sobre ...

Sei que há pessoas que pensam que as estradas são só para eles e excedem constantemente os limites de velocidade. Isso não posso negar já que eu também dificilmente consigo manter-me dentro dos limites.

Agora o que posso referir é que existem estradas, cheias de trânsito e que já não deviam estar em funcionamento. Má visibilidade, piso degradado, poucas protecções (estradas de montanha). Relativamente a este ponto, lembro-me de há 2 anos a estrada que liga Amarante à Regua, via Mesão Frio, não ter um unico rail de protecção, o que assustava quando se olhava cá para baixo.

Existem estradas, em Lisboa por exemplo, a que liga o Cais do Sodré a Algés do lado do rio em que o limite é 50 Km hora. Uma estrada que é composta por uma recta de vários kilómetros. Não será um limite baixo de velocidade?

Sobre outras estradas, temos o caso da A3 Porto-Braga. Como é que é possível existir uma coisa como a que precede a saída para Sto Tirso/Trofa? Uma descida super inclinada, sempre às curvas. Numa auto-estrada é uma situação super perigosa.

Agora sobre os condutores, já vi de tudo, ultrapassagens perigosas, exageros de lentidão, que não andam (por exemplo a 40 na IP 5) nem facilitam a vida aos outros. Aqui existem pessoas que não têm a paciência necessária para se mantêr atrás e apenas ultrapassar quando é seguro. Depois há acidentes.

Para terminar quero concordar com o Americo Palma no facto de que há pessoas que nem deviam sonhar em conduzir, e também quero dizer que o governo não deve esfregar as mãos e atirar as culpas para o alcool e para os condutores ... mas também assumir as suas e arranjar as péssimas estradas que temos.