Clongem de embriões humanos

30 Julho, 2000

Governo britânico vai autorizar clonagem de embriões humanos

O governo britânico vai autorizar já em Setembro a
clonagem de embriões humanos para cultivar tecidos com fins
terapêuticos, afirma na edição de hoje o jornal The Observer.
O jornal salienta que, com esta autorização do governo, os
cientistas não só poderão fabricar tecidos para repor em zonas
danificadas do cérebro, como também desenvolver pele humana para
utilizar em vítimas de queimaduras, e órgãos humanos como
corações, rins e fígados, possibilitando também que cada pessoa
tenha o seu próprio banco de tecidos para enfrentar possíveis
doenças, no futuro.
No entanto, estão proibidas a extracção de células de
fetos abortados e a clonagem completa de um ser humano.
Prevê-se que a autorização receba o apoio da comunidade
científica e a rejeição das comunidades religiosas.

Fonte: lusa.pt

Trabalhistas britânicos

Trabalhistas com liberdade para decidir clonagem de embriões humanos

O Primeiro-Ministro britânico, Tony Blair, vai dar
liberdade de voto aos deputados do seu partido a propósito da
autorização de clonagem de células de embriões humanos.
Blair vai esta semana entregar aos deputados a decisão,
para ser aprovado no Parlamento britânico, de autorização dos
cientistas do seu país para clonar células dos embriões humanos
com menos de 14 semanas para pesquisas médicas.
Segundo a imprensa do Reino Unido, o Governo britânico de
Tony Blair apoiará a clonagem nestes termos, mas considera que a
decisão final é um assunto para a consciência dos deputados
trabalhistas, e a decidir pelo Parlamento de Westminster.
A opção, que irá colocar o Parlamento britânico perante a
sua decisão mais difícil desde há mais de uma década, tem sido
objecto de discussão entre cientistas e grupos religiosos, e
deverá resultar num vigoroso processo de pressões por grupos pró e
contra a clonagem.

Fonte: lusa.pt

Igreja

Igreja condena apoio de Londres à clonagem humana

O director do Instituto de Bioética da Universidade
Católica de Roma condenou hoje o relatório divulgado pelo governo
britânico que apoia a clonagem de embriões humanos com fins
terapêuticos.
O bispo Elio Sgreccia considera que o facto de se
justificar a clonagem de embriões humanos com fins científicos não
a converte em menos lícita do que a clonagem com fins de
procriação.
O responsável condenou o facto de se converter o embrião
humano em material experimental, e recordou que a opinião pública
não deve deixar-se enganar por critérios utilitaristas porque
os investigadores podem obter tecidos e órgãos através da
reprodução de células de adultos, nunca mediante a criação de
embriões.
A igreja considera que este tipo de experiência viola o
estatuto ético de Deus sobre a transmissão da vida humana porque
trata a reprodução do homem como qualquer produto químico,
esquecendo a divindade transcendente do ser humano.

Fonte: lusa.pt

Decisão do governo britânico

Governo britânico dá luz verde à clonagem de embriões humanos para investigação

O governo britânico deu luz verde à clonagem de embriões humanos para fins de investigação terapêutica, dando assim o seu aval a um relatório oficial nesse sentido, segundo o qual esta clonagem abrirá caminho a novos tratamentos.

O objectivo é, utilizando células muito jovens, cultivar todo o género de tecidos que poderiam servir de peças sobressalentes para
tratar doenças actualmente incuráveis.

O texto da lei que permitirá a clonagem para fins médicos proibirá estritamente, no entanto, a clonagem com fins reprodutivos.

O governo anunciou que dará aos deputados liberdade de voto segundo a sua consciência sobre este assunto delicado do ponto de vista ético.

Fonte: lusa.pt