Bulimia e Depressão

Caros, passei uma vista de olhos pelo vosso forum da depressão e li inclusivé um artigo do Dr. Rui Sousa acerca deste assunto. Ele aconselha nesse artigo que, caso uma pessoa sinta que está apenas triste, não procure um psiquiatra... Penso ter interpretado bem. O meu problema é: como distinguir exactamente uma situação de tristeza de uma grave depressão? E ainda qual o maior grau de risco que uma depressão pode trazer? Existem graus distintos? Há ano e meio atrás tive o meu irmão extremamente doente e nunca nos démos lá muito bem... No entanto, sou uma pessoa que cria muitas expectativas e esperava uma aproximação maior entre nós. Aconteceu exactamente o oposto... tive uma desilusão tão profunda e mergulhei na chamada \\\depressão\\\; mas sempre me senti uma pessoa \\\positiva\\\! Há cerca de quatro meses, resolvi pôr cobro a uma situação insustentável (enxaquecas, insónias, irritabilidade, etc.). Fui a uma médica que me medicou com Nodepe (1 por dia) e Prazam (4 por dia: 1 P.A; 1 Alm e 2 ao Jantar) Gostaria de saber se isto tem algum fundamento e se a minha depressão é (ou foi grave) e se sou bulímica... Tenho 28 anos, 1,60 e peso 88,5 kg. Sou casada e tenciono ter filhos o quanto antes. Por favor, esclareçam-me.

RE: Bulimia e Depressão

Anuska,

Antes de mais sou um leigo.

Tropecei nesta sua nota, quando pesquisava fadiga crónica, tendo por isso encontrado este forum - onde procurei a nota mais recente.

Por ter econtrado ALGUMAS afenidades (que não provam nada), recomendo que lei-a a página http://www.cfs-news.org/faq.htm

Nela se descreve uma doeça nova, cujos sintomas genéricos são a fadiga, a falta de sono, a anorexia, ...

Provoca quebra nas sua defesas: plaquetas, leuócitos - trombocitopeneia. Pode provocar conjuntivites frequentes, faringite, esplenomegalia (baço inchado), mononucleose e no limite (da minha actual pesquisa) Sindroma de Fadiga Crónica.

A causa mais comum é a infecção (por saliva) do virus Epstein-Barr, que segundo o www.cdc.gov, atinge 95% dos Norte-Americanos na nossa faixa etária - Adultos-Jovens.

Em Portugal, não encontrei (ainda) estatísticas, mas tenho indicadores que me levam a crer que ainda se pensará que é um fenómeno sem expressão. Eu acredito que isto não é verdade ou está desactualizado. No meu caso, que trabalho num banco Espanhol, com forte implementação na América do Sul, parte dos meus colegas são oriundos desta última zona. E tenho outros colegas com estes sintomas. Os indicadores indiciam algo mais do que somente os problemas do ar-condicionado.

Espero, no entanto, sinceremente que no seu caso, se revele apenas uma gripe ou outra enfermidade passageira e sem consequências.

Votos de saúde.

RE: RE: Bulimia e Depressão

Caro Carlos: Agradeço as suas informações. Já li sobre o assunto e de facto clarificaram-me algumas dúvidas que tinha e realmente por vezes revejo-me nesta doença do Síndroma da Fadiga Crónica. No entanto, penso que não é uma doença qualquer. Ela pode e deve ser combatida pelo indivíduo; o problema é: o que é que acontece quando a pessoa não tem mesmo forças? Isto é: sente um cansaço (por vezes até mais psicológico do que físico) tão grande que é incapaz de se levantar e dizer: Não! Hoje vou fazer isto! Penso que é aí que a depressão actua por si só e nos deixa derrubados, porque se fosse só fadiga, acho que tudo seria possível de vencer... agora contra uma voz interna que nos diz: Deixa-te estar! Não faças nada, que não precisas... não te preocupes... dorme e cala-te. Está quieta!, etc, etc... o que é que nós podemos fazer? Às vezes, custa-me levantar da cama. Sou casada e o meu marido trabalha e é preciso levantar cedo... Eu não sou capaz, por vezes. Isto preocupa-me pois para além de me sentir culpada, sinto que não faço feliz o meu marido! Claro que isto é de âmbito psicológico, mas depois é o físico que se ressente. Embora eu já esteja melhor, sinto que quando acontece algo que me contraria muito, os sintomas voltam em força, nomeadamente as dores de cabeça insuportáveis. A fadiga é consequência das noites mal dormidas. As noites mal dormidas penso serem resultado de uma ansiedade que queria controlar sem medicação mas se calhar não consigo.

RE: RE: RE: Bulimia e Depressão

Olá, em primeiro lugar quero dizer que sou brasileira, portanto é possível que algumas palavras ou colocações possam parecer diferentes.
Percebo que está sofrendo bastante com a situação e honestamente deveria procurar um bom psiquiatra. Falo por experiência própria, pois já sofri 2 episódios de depressão, minha mãe também ainda se trata desta doença e atualmente meu marido foi diagnosticado com essa doença.
Creio que o ponto principal para soar o alerta é quando passamos a sentir uma tristeza e sofrimento muito profundos e que não são justificados com motivos reais de estarmos tão chateados. As pessoas são muito diferentes e podem demonstrar sua depressão de formas igualmente distintas, mas sempre quando olhamos para a vida dessa pessoa, vemos que não há razão para tal comportamento e/ou sentimento. Por vezes quando a família ou amigos descobrem o diagnóstico ficam chocados e dizem:Como é possível, tal pessoa tem uma vida tão boa, uma família maravilhosa, etc . Outra coisa que ocorre é que coisas que antes nos alegravam agora mal geram sorrisos e nossos interesses vão desaparecendo. Há pessoas que chegam a não sair das camas, nem pentear-se ou escovar os dentes, outros passam a comer muito, engordam, etc. Aos homens é comum atribuir os sintomas a problemas no trabalho, estresse e outras coisas, mas posso te garantir que com um bom psiquiatra, terapia e medicamentos, em poucos meses mal reconhecemos essas pessoas, que retomam suas vidas. Não há o que temer, o tratamento é longo, mas os resultados são brilhantes. Espero ter ajudado. Se quiser, mande um email para nos falarmos.