Regime intensivo de ioga melhora artrite reumatoide

Estudo publicado na “Restorative Neurology and Neuroscience”

12 fevereiro 2019
  |  Partilhar:
A prática de um regime intensivo de ioga, juntamente com o tratamento farmacológico de rotina da artrite reumatoide ativa, melhorou os sintomas físicos e psicológicos da doença num grupo de pacientes. 
 
Os resultados foram observados após um estudo conduzido por uma equipa de investigadores liderados por Rima Dada, do Instituto de Ciências Médicas da AII India, em Nova Deli, Índia, e traduziram-se na indução da remissão molecular, tolerância imunológica e redução de sintomas de depressão relacionada com a doença.
 
Com o intuito de procurar determinar se uma intervenção a nível do corpo e mente poderia melhorar os sintomas depressivos e ajudar na remissão daquela doença crónica, Rima Dada e equipa contaram com a participação de 72 pacientes com artrite reumatoide ativa.
 
A equipa dividiu os participantes em dois grupos. Ambos os grupos receberam fármacos antirreumáticos modificadores da doença (DMARD), que são normalmente prescritos para a artrite reumatoide.
 
A um dos grupos foram atribuídas cinco sessões de ioga semanais, com a duração de 120 minutos cada sessão, durante um período de oito semanas. Os investigadores analisaram os resultados da intervenção em termos de atividade da doença e severidade da depressão.
 
No final da intervenção, foi observado que os participantes do grupo da ioga apresentavam melhorias nos marcadores de neuroplasticidade, inflamação, saúde celular e envelhecimento celular (como stress oxidativo), o que demonstrou a eficácia da atividade nos praticantes.
 
“A ioga, uma intervenção corpo-mente, reestabeleceu a tolerância imunológica ao ajudar a remissão a nível molecular e celular, juntamente com uma redução significativa na depressão”, comentou Rima Dada.
 
“Assim sendo, nesta artrite inflamatória com uma elevada componente psicossomática, a ioga pode ser usada como terapia complementar/adjuvante”, concluiu a investigadora.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentário