Os suplementos alimentares não substituem os nutrientes nos alimentos

Estudo publicado na “Annals of Internal Medicine”

11 abril 2019
  |  Partilhar:
Um estudo evidenciou que a ingestão de uma quantidade adequada de certos nutrientes a partir da alimentação, mas não de suplementos, está associada a uma redução na mortalidade por todas as causas.
 
Por outro lado, equipa de investigadores responsável pelo estudo, da Universidade Tuffs, EUA, não encontrou uma associação entre os suplementos alimentares e um menor risco de morte.
 
Para a sua investigação, Fang Fang Zhang e colegas analisaram dados sobre mais de 27.000 adultos norte-americanos com 20 anos e mais de idade, com o objetivo de avaliarem a associação entre o uso de suplementos alimentares e a morte por todas as causas, doenças cardiovasculares e cancro.
 
Relativamente à associação entre a ingestão de nutrientes e o risco de morte, a equipa descobriu que a ingestão de níveis adequados de vitamina K e magnésio estava associada a um menor risco de morte, de níveis adequados de vitamina A, K e zinco estava associada a um menor risco de morte cardiovascular e que o excesso de cálcio estava associado a um maior risco de morte por cancro.
 
No que diz respeito às fontes de ingestão de nutrientes (alimentação ou suplemento), os investigadores apuraram que o menor risco de morte associada à ingestão de níveis adequados de vitamina K e magnésio era devido a nutrientes na alimentação, e não a suplementos. O mesmo foi observado relativamente aos níveis adequados de vitamina A, K e zinco e morte cardiovascular. 
 
Finalmente, a ingestão de pelo menos 1.000 mg diários de cálcio em forma de suplemento estava associada a um maior risco de morte por cancro; esta associação não foi observada com a ingestão do cálcio através da alimentação.  
 
A equipa apurou ainda que os suplementos alimentares não exerciam qualquer efeito sobre o risco de morte em pessoas que ingeriam poucos nutrientes. Em vez disso, foi observado que o uso de suplementos de vitamina D por indivíduos sem sinais de deficiência daquela vitamina poderia estar associado a um maior risco de morte por todas as causas, incluindo cancro. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentário